Apreciadores de Um Naco de Prosa

18 de mai de 2011

E o Pânico ficou em Pânico


Há uns dois meses o programa Pânico na TV vinha apresentando um quadro intitulado ‘’As Tchecas do Brasil’’, o que parecia um chamariz fácil de audiência, tornou-se o maior golpe publicitário na TV brasileira, que tem o seu lucro monetário contado em segundos.
As duas moças, respectivamente Michaela e Dominika, ficaram famosas após a criação do Blog em que ambas falam do amor pelo Brasil.
Vendo o alto número de acessos dos internautas, o Pânico na TV chamou as moças para fazer parte desse que, para mim, é um programa de péssimo gosto, com baixarias, machismo, egos inflados e tudo de ruim que um programa pode agregar.
E dessa vez foi a vez da caça.
Acostumados a ver ou ouvir que o Pânico humilhou fulano, incentivou o preconceito em cicrano, fez algo vexatório com outrem, pudemos acompanhar ‘’la dolce’’  vingança.
As coisas são frias no mundo monetário.
Para quem não sabe o quadro em que as belas moças apareciam é patrocinado pela AMBEV, que promove a marca Skol.
Após seis semanas de muito sucesso, as belas ficaram feias.
Elas foram contratadas pela empresa CPBB ( Companhia Brasileira de Bebidas Premium ), que vai lançar a cerveja ‘’Proibida’’ para abocanhar uma boa fatia dos bebedores de Skol. O Blog em que elas aparecem foi produzido intencionalmente pela empresa para divulgação na nova cerveja.
Opa! Quer dizer que as moças usaram da boa alma dos produtores e adjuntos do Pânico na TV para fixarem a imagem delas, e, com isso, quando lançarem a cerveja , você com certeza se lembrará delas!


Golpe de mestre! Sim.
Desonesto? Tenho dúvidas.
Penso que o mercado é dos espertos, e elas foram espertas ( a empresa e as moças ). O Pânico na TV estava com fome, e quando o animal tem fome, não pensa duas vezes antes de atacar sua presa. A estuda e abocanha num golpe perfeito, o problema é quando a presa sobrevive, debate-se na boca do animal e escapa, e volta mais fortalecida.
As duas moças conseguiram seus objetivos: quando lançarem a tal ‘’Proibida’’ serão lembradas por muito tempo, e a Playboy já andou sondando.
O diretor do programa, Alan Rapp, desabafa:  "Só acredito nessa história quando ver essa cerveja no supermercado. Que credibilidade tem uma empresa que engana o Brasil inteiro?"
Pois é, penso eu com meus botões, que credibilidade tem um programa como o Pânico na TV que humilha entrevistados, coloca-os em posição vexatória, ou EXIGE que seus personagens façam coisas absurdas como lamber o corpo um do outro, ou serem pendurados pelas calcinhas e puxados por um guindaste para testar se o elástico aguenta.
Enfim, esses são só alguns exemplos. Não meus amigos, não assisto a esse programa. Seria muito hipócrita se o fizesse e falasse mal do mesmo, mas procuro estar sempre bem informada.
Trouxe essa questão ao nosso espaço porque fiquei surpresa pelo ‘’ibope’’ que essa notícia está rendendo, inclusive os comentários afoitos e calorosos nas páginas da internet.
Com certeza entrará no próximo livro das faculdades de Marketing, com dedicatória da equipe do Pânico na TV. E, dessa vez, não vai descer ‘’redondo’’.

10 comentários:

  1. Não me interesso, também, por programas desse tipo e até desconheço a matéria sobre as moças. Mas concordo com seu posicionamento. É bom saber que "espertos" se descobrem como não o sendo. Aliás, não consigo entender o que chamo de falta de criatividade. Já fiquei pasma quando lançaram aquela cerveja chamada
    "devassa". E me admiro ainda mais com o lançamento de outra chamada "perdida". Será que esses nomes atraem consumidores??

    ResponderExcluir
  2. Reamente o mundo publicitário é dos espertos...

    e a gente vai se escaldando né!!

    bj.

    ResponderExcluir
  3. Não suporto este programa,não é aconselhavel e nem salutar para ninguem,ninguem. Depois caem de pau na Globo,ou seja nas celebridades da emissora que são abordados pelo pessoal do Pãnico, e são destratados por diversas vezes,muitos os ignoram. Mas as jovens foram espertas, e quem pensou que estava só ganhando, elas tiraram bom proveito.Quanto a tal cerveja,gente o mercado fas do que o povo gosta,programas ridiculos de baixo nivel tem dado muita audiência porque o povo gosta.Mulheres nuas ou quase da IBOPE, a inteligência e capacidade do ser humano não tem mais valor.Se a gente for falar temos muita coisa em apontar veja as músicas, não todas mas é monte de besterol o fulano(a)não canta absolutamente nada e fas sucesso e enxe o bolso de dinheiro.è assim que funciona ou eu estou exagerando?.
    Desculpe por esta opinião,mas sou de um tempo que a gente conhecia grandes valores. Seu blog é maravilhoso de um conteúdo lindo e digno.Prabens pelo trabalho.
    Felicidades.

    ResponderExcluir
  4. Marilene,Cátia e Fênix obrigada por suas visitas,seus ricos comentários me auxiliam a continuar com minhas postagens.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Marli, pra mim tudo isso é surpresa! Mas até gostei de saber. Conheço este programa... Realmente ele acaba com as pessoas. Péssimo gosto. Vi uma vez e bastou.

    bjs
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  6. Ainda achei pouco! Excelente você abrir o espaço para o fato e gostei do seu posicionamento no texto. Parabéns e abraços!

    ResponderExcluir
  7. Marli Boldori21/5/11 12:44

    queridos Tais e Fred, quando escrevo meus textos aqui no nosso Naco de Prosa não sei qual reação irei tirar de vocês, meus amigos. e quando recepciono posições positivas, tenho a certeza de que estou no caminho certo.
    Muito obrigada! Voltem sempre.

    ResponderExcluir
  8. O mundo publicitário é muito apelativo, eles usam nomes para seus produtos venderem e o consumista entra nessa como Proibida e Devassa!!!
    Gostei muito do texto e a sua colocação.
    Andei um pouco ausente, estou voltando aos poucos...

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Marli Boldori29/5/11 18:42

    Olá Guímel! Bom retorno, fico feliz ao ler seus comentários sempre tão precisos e preciosos...
    Leonardo, falou pouco e falou muito. Obrigada pelo comentário!
    Voltem sempre que quiserem, a casa é de vocês e para vocês! Beijos.

    ResponderExcluir