Apreciadores de Um Naco de Prosa

30 de nov de 2012

E no frigir dos ovos

 
O que significa "No frigir dos ovos"?

Pergunta: Alguém sabe me explicar, num português claro e direto, sem figuras de linguagem, o que quer dizer a expressão "no frigir dos ovos"?


Resposta: Quando comecei, pensava que escrever sobre comida seria sopa no mel, mamão com açúcar. Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comeu gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos. Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem idéias e pra descascar esse abacaxi só metendo a mão na massa..

E não adianta chorar as pitangas ou, simplesmente, mandar tudo às favas, nem ficar procurando chifre em cabeça de cavalo.

Já que é pelo estômago que se conquista o leitor, o negócio é ir comendo o mingau pelas beiradas, fazendo uma boquinha e cozinhando em banho-maria, porque é de grão em grão que a galinha enche o papo.

Contudo é preciso tomar cuidado para não azedar, passar do ponto, encher linguiça demais. Além disso, deve-se ter consciência de que é necessário comer o pão que o diabo amassou para vender o seu peixe. Afinal não se faz uma boa omelete sem antes quebrar os ovos. Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.
Há quem pense que escrever é como tirar doce da boca de criança e vai com muita sede ao pote. Mas como o apressado come cru, essa gente acaba falando muita abobrinha. São escritores de meia tigela, trocam alhos por bugalhos e confundem Carolina de Sá Leitão com caçarolinha de assar leitão.


Há também aqueles que são arroz de festa, com a faca e o queijo nas mãos, eles se perdem em devaneios (piram na batatinha, viajam na maionese... etc.). Achando que beleza não põe mesa, pisam no tomate, enfiam o pé na jaca, e no fim quem paga o pato é o leitor que sai com cara de quem comeu e não gostou.

O importante é não cuspir no prato em que se come, pois quem lê não é tudo farinha do mesmo saco. Diversificar é a melhor receita para engrossar o caldo e oferecer um texto de se comer com os olhos, literalmente.

Por outro lado se você tiver os olhos maiores que a barriga o negócio desanda e vira um verdadeiro angu de caroço, comendo mortadela a arrotando caviar. E, não adianta chorar sobre o leite derramado porque ninguém vai colocar uma azeitona na sua empadinha, não. O pepino é só seu, e o máximo que você vai ganhar é uma banana, afinal pimenta nos olhos dos outros é refresco...

A carne é fraca, eu sei. Às vezes dá vontade de largar tudo e ir plantar batatas, porque macaco velho não bota a mão em cumbuca. Mas, quem não arrisca não petisca, e depois quando se junta a fome com a vontade de comer as coisas mudam da água pro vinho.

Se embananar, de vez em quando, é normal, o importante é não desistir mesmo quando o caldo entornar. Puxe a brasa pra sua sardinha, que, no frigir dos ovos a conversa chega na cozinha e fica de se comer rezando. Daí, com água na boca, é só saborear, porque: o que não mata engorda.

Entendeu o que significa "no frigir dos ovos"?

Autor: Desconhecido
Fonte: Google

16 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá Ricardo,é um texto muito interessante.Valeu a pena! Obrigada,grande abraço!

      Excluir
  2. oi Marli,

    que texto inteligente,
    adorei!!!

    beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rô,amiga, que bom que gostou do texto.Existem muitas leituras interesantes a fazer,mas o tempo é curto, não é?
      beijos!

      Excluir
  3. Inventei a ironia numa toada de vento
    Roubei as asas a uma gaivota azul
    Colei-lhes um poema cheio de penas
    E enviei-o para uma tonta do sul

    Inventei um mar numa bola de sabão
    Roubei uma corda forte e boa
    Atei um rol de mágoa à mesma
    E afoguei-as nas águas de uma lagoa

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá lindo seu poema,obrigada por deixar um pouquinho dele aqui em meu espaço.Obrigada pela visita.Bjs.

      Excluir
  4. hahaha, adorei, todas as citações, o linguajar popular está alinhadíssimo! Texto ótimo. E vamos, a cada linha concordando com tudo...

    Beijos, Marli!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tais,concordo com você, um linguajar popular,mas bonito para ser usado no cotidiano.Fico muito contente com sua apreciação, muito valiosa.Beijos!

      Excluir
  5. Adorei tudo ...obrigada pela visita e pelas palavras tão carinhosas.Seu blog é muito interessante ..naveguei por ele e me encantei.bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sonardoces,eu é que agradeço por sua visita e comentário.Volte sempre.Beijos!

      Excluir
  6. Estou bem afastado ,mais as saudades que sinto
    chega dói meu coração.
    Por meio dessas poucas palavras estou
    passando para deixar meu carinho,
    e dizer de uma forma ou de outra vou fazer
    de tudo para jamais ser esquecido.





    Estou passando pra retribuir de bom grado sua calorosa visita em meu blog....Quero dizer de voce...rsrsrs No mais tardar espero que volte mais vezes a postar seus belos elogios.... Em www.uanderesuascronicas.blogspot. com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá que belas palavras,voltarei visitar seu espaço que é muito interessante e rico.Não se preocupe, pois jamais será esquecido.Abraço!

      Excluir
  7. E as interligações que fazem este tecido, fazem dele um brocado!
    Lia, ia lendo, e sorria...
    Não conhecia. Agradeço a partilha. Mesmo!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manuela, realmente as interligações vão acontecendo. E, isso é ótimo.Volte sempre.Obrigada! Abraço!

      Excluir
  8. Gasparzinho8/12/12 12:28

    Ótimo texto!
    A pose do gorila na foto coube perfeito.
    Abraos do amiguinho camarada!

    ResponderExcluir
  9. Olá Gasparznho,penso que a foto do gorila chamou mais atenção rsssss.Quando li o texto, achei-o imensamente interessante,por isso, resolvi compartilhá-lo aqui.Um grande abraço!

    ResponderExcluir