26 de dez de 2016

Um Novo Ano Novo

Tenho a impressão de que o tempo passa num piscar de olhos, e quando percebo lá se foi mais um ano, 366 dias.
Penso comigo, quantos eu aproveitei realmente? Quantos eu vivi por completo?
Em quantos eu fui feliz ou fiz outra pessoa feliz?
Quantos sorrisos ou lágrimas? Quantos abraços e apertos de mãos?
Quantos “obrigada” e com licença falei?
Quantos quilômetros percorri, quantos passos dei?
Final do ano, a TV sempre nos traz retrospectivas sobre os fatos mais acessados e comentados no mundo, e são nestes momentos efêmeros da TV brasileira, que percebo que o tempo não passa num piscar de olhos, nós é que não o aproveitamos como antigamente.
Nós que, ao sentarmos à mesa, com a nossa família, não conversamos mais, não nos olhamos nos olhos, pois eles estão interessados na última postagem do Face ou Instagram.
Isso quando a ceia não é em frente à TV, em que um aponta para o outro ficar em silêncio para ouvir Roberto Carlos...
O tempo não passa mais rápido do que no tempo dos nossos avós, nós é que não o vivemos como nossos avós viveram, e creio que isso, não será mais possível. Todos têm pressa, todos sempre estão alguns minutos atrasados.
Há alguns dias, ouvi na rádio uma música que se encaixa neste texto, em que uma parte dizia justamente isso: “se eu não tivesse parado para cortar o cabelo na hora do almoço, eu jamais teria conhecido você”.
Penso que sim, muitas vezes vale à pena desviarmos da nossa rotina, acredito que sempre há surpresas agradáveis ou não, que nos ensinarão algo e poderão mudar nosso destino. 

Como esse “cara” da música, que, um dia, resolveu não almoçar e ir cortar o cabelo, mudou sua rotina, e encontrou seu grande amor.
Que neste ano que se inicia, 2017, possamos mudar um pouco a nossa rotina, e nos reencontramos com velhos amigos, parentes que há anos não víamos e, o mais importante, com nós mesmos.
Muitas coisas acontecem todos os dias, Deus nos proporciona isso. Desde o nosso nascimento.
E quantas vezes por dia você pára para sentir os pequenos presentes que Deus lhe dá?
O simples acordar, respirar, espreguiçar-se e sentir os raios de sol tocando seu rosto.
Desejo para todos nós, neste novo ano, mais gratidão e menos resmungos.
Sejamos mais gratos e mais amáveis uns com os outros e tudo se transformará a nossa volta. Observe as belezas ao seu redor. Quando for cumprimentar, olhe nos olhos, aperte a mão, beije o rosto. Sinta o outro ser humano que lhe abraça. Não passe por um amigo apenas com um aceno de mão. Pare um segundo, e pergunte como ele está, como está sua família. Perceba seu sorriso, seus olhos.

Não passe pela vida como um trem desgovernado. Viva, sinta, agradeça e seja muito feliz neste novo ano! 


Fotos: Google

20 de dez de 2016

O Natal

3 de dez de 2016

Que cor tem o seu mar?


Domingos são típicos para almoços em família e descansar para a semana que começará noutro dia.
A noite chegou, e queria distrair meus pensamentos após um pouco de leitura. Liguei a TV, trocando de canais, atrás de algo que prendesse minha atenção, parei no canal da Cultura, na tela, Tim Maia começara a cantar Azul da cor do mar...
E, pela primeira vez, nestes anos todos que ouvi essa letra, eu entendi seu real significado.
É muito além de um poema musicado, é uma inspiração, é um recado a todos nós, pois todos nós passamos ou passaremos pelo que Tim cantou ali, mas a parte que mais me chamou a atenção foi a seguinte: “ E na vida a gente tem que entender, que um nasce pra sofrer enquanto o outro ri”.
A partir do momento em que compreendemos o que Tim Maia quis dizer neste pequeno e tão importante trecho de sua composição, a vida tornar-se-á melhor para você, e, consequentemente, para todos à sua volta.

Desde pequenos somos ensinados a sermos melhores do que nosso coleguinha de escola e, mais tarde, do que nosso colega de trabalho.
Desde pequeno somos ensinados que, se o teu vizinho tem a melhor casa do bairro, você também pode ter, sim!
Porém, esquecemos neste momento que tudo tem um propósito, e que nem sempre a grama do vizinho é mais verde do que a sua. Isso não quer dizer que não devemos lutar, melhorar, progredir, podemos e devemos sim, mas sem agourar ou invejar o alheio.
Entendamos que há motivos, há razões para pessoas serem e terem exatamente como as vemos.
Passamos tanto tempo tentando consertar as coisas, que deixamos a nossa vida de lado, e quando resgatamos, muitas vezes, já é tarde demais.
Tudo é passageiro, e, assim como Tim Maia fala: a gente tem que entender.
Como? Amadurecendo.
Claro que não devemos fechar os olhos para tantas catástrofes, mas, no final de tudo, percebemos que sempre houve motivo para esse ou aquele fato acontecerem, e exatamente como aconteceram.
Ao escrever Azul da cor do mar, Tim Maia abriu seu coração, e quis dividir com o mundo aquilo que já tinha aprendido ao longo da vida, e, talvez, repassando um pouco o que aprendeu, pessoas não cometessem o mesmo erro... porém, a natureza humana é tão incrível, que não tem como você saborear o néctar de uma fruta se ela não estiver madura. E assim é a nossa essência, para nos experimentarmos, precisamos amadurecer.
Quantas vezes nos deparamos com jovens cometendo erros tolos, com consequências, muitas vezes irreparáveis, mesmo após horas de discursos de seus pais?
O que pode ser explicado facilmente; quando jovens, nos achamos invencíveis, que nada vai nos afetar, que se aconteceu com meu pai e mãe, não vai acontecer comigo. E vou fazer sim, porque ninguém manda em mim! E ainda fazíamos “bico” e batíamos o pé.
Jovens, uma das fases desse amadurecimento, tão crucial para chegarmos ao fim, e podermos cantar ao mundo qual a cor tem o nosso mar.

Fotos: Google

O outro lado da cegueira

Um dos trechos mais comentados e que mais aprofundam o leitor dos personagens é quando Saramago escreve:  “O medo cega (…) são palavras c...