14 de nov. de 2017

O valor das pessoas

Nessas andanças pela vida, ouvimos, lemos e falamos sobre muitas coisas... Após o lançamento de um livro, cujo título mexeu  com minha cabeça, fiquei a pensar no que a autora comentou. O livro aborda as condições do preso no sistema carcerário, e vai além do que as lentes nos mostram, nas telinhas ou telonas. E o que mais me chamou a atenção foi a abordagem feita sobre o lado humano, esquecido e trancafiado, daquela criatura.
Indifere aqui, o motivo do encarceramento, mas vamos pensar a respeito de quando ele lá dentro está, na verdade, vamos mais além, nós que gozamos ainda da liberdade, quanto valemos?
Qual o valor que temos em nosso trabalho, qual o valor que temos com nossos amigos ou familiares?
Até quando somos úteis e interessantes ao próximo?
Trabalhamos para auxiliar no crescimento da nossa cidade, do nosso país, e quando nos aposentamos somos esquecidos, e pela visão do Estado, pouco valemos e muito pesamos no orçamento.
Segundo, Albert Einsten:
“A maior missão do Estado é, para mim, a de proteger o indivíduo e lhe oferecer a oportunidade de manifestar a sua personalidade criadora”.
No âmbito pessoal, quando riquezas temos quantos “amigos” nos visitam, procuram-nos e querem estar perto usufruindo do que nosso dinheiro traz, porém quando algo nos acontece e, de repente, perdemos tudo o que tínhamos? Quantos amigos nos restam? Muitas vezes mal dá para encher uma mão.
Quando fraco estamos, e erros cometemos, às vezes erros pequenos, bobagens, por assim dizer, somos açoitados e cada chicotada faz esquecer as coisas boas que fizemos a outrem.
Penso que não apenas o preso sofre o descaso e desdém do sistema, é uma cultura que atinge a todos os cidadãos de bem, e os que deslizes cometeram e estão presos.
Muitas vezes me perguntei quanto valho, até onde posso confiar e acreditar que estou cercada por pessoas que me querem bem? Não tenho grandes posses materiais, mas nos dias atuais, infelizmente, o pouco que temos já é invejado e desejado por pessoas de má fé.
A questão toda é pensar: para quem realmente somos valiosos, e nós sabemos a resposta, em nosso íntimo todos sabemos, mas muitas vezes nos deixamos iludir e acreditamos que todos os cinco mil amigos do facebook nos amam de verdade. Acredito que devemos procurar saber o nosso valor perante Deus e a sociedade, pois ainda estamos em processo de transformação, de evolução. Exemplo a ser citado, a imagem em bronze, de uma escultura da norte - americana Bobbie Carlyl, a qual nos mostra um homem esculpindo-se, uma metáfora que revela que não estamos totalmente prontos, apenas parcialmente, e neste processo de melhorarmos como pessoas, podemos avaliar o nosso valor a cada dia para a família, para a sociedade, para os nossos amigos e para o Estado.
A indagação, talvez mais importante :


-Eu ainda valho algo para mim?

Origem da palavra OK

  Imagem Google Conhecemos várias palavras que devido ao seu uso foram incorporadas no idioma formal. Algumas palavras em inglês que o b...