23 de jun. de 2022

Pinhão a semente da Araucária

Nos arredores da cidade de União da Vitória, a qual fica no estado do Paraná, há muita araucária. No outono e inverno a semente do pinheiro é colhida, o gostoso pinhão. As famílias fazem passeios pelos campos para juntar os pinhões que insistem em cair, a pinha se desfaz e tudo vem ao chão. Em uma tarde de um dia muito frio, daqueles em que a geada custa a ir embora, um grupo de quatro crianças, amigos que moravam na mesma rua, estudavam na mesma escola e tinham idades aproximadas, dez e onze anos, foram juntar pinhões. Guilherme estava sempre com sua irmãzinha do lado, ela era a menor com nove anos, ele era responsável por ela, principalmente quando se afastavam de casa. Porém Lorena, como era chamada, era muito espevitada, vivia pondo-se em perigo ao entrar em grutas, dizia que ia pesquisar. Tinha sempre uma pastinha com uma caderneta, lápis, régua e caneta. Porém, sempre atrapalhava os planos dos meninos, que ficavam irritados com Guilherme por ter trazido “a mala” como a chamavam. No entanto, ela fingia que não ouvia os xingamentos. O objetivo das crianças era apanhar muito pinhão e vender em pequenas quantidades. Fizeram uma reunião e decidiram quem faria as atividades. Primeiramente, todos colheriam o máximo de pinhão, que ficaria em um monte, após tudo colhido e escolhido, Guilherme e o amigo separariam as quantidades com peso aproximado, claro que a irmãzinha ficaria com eles. Os pacotes vazios foram sendo guardados há tempos, depois de cada compra que as mães faziam. Deixaram tudo organizado, colocaram o preço em cada pacote. Após isso resolveram fazer uma pequena fogueira para sapecar pinhões, era costume em todas as famílias, assim cada um foi juntar sapé, (galhos secos dos pinheiros) para o fogo. Tudo pronto, o fogo com pequenas labaredas recebeu punhados de pinhões, muitos estouravam ao contato com o fogo, a alegria das crianças era vibrante. Alguns minutos depois todos comiam os gostosos frutos do pinheiro. De repente, Guilherme percebeu que Lorena não estava por perto, saiu gritando por ela, e nada. Pediu aos amigos que o ajudassem a procurá-la. O sol ia se pondo e nada da pirralha aparecer, Guilherme a princípio pensou que ela estivesse brincando de se esconder, mas quando o vento gelado começou, ele sabia que o caso era grave. Correu em busca da ajuda dos pais, muito assustados pediram ajuda aos vizinhos. Todos correram para ajudar a encontrar a pequena. O frio aumentava, todos estavam vasculhando com muito cuidado todos os lugares possíveis. Gritavam o nome dela, o cachorrinho de estimação dela também entendeu a situação e começou a correr farejando aqui e ali. As lanternas já estavam sendo acesas, pois a noite chegara, tudo era um breu, a escuridão era quebrada pelas estrelas em um céu límpido. Percorreram muito chão, passaram-se muitas horas. Guilherme sentiu as lágrimas rolarem pelo seu rosto. O medo de perder a irmã já o deixava horrorizado. Todos se perguntavam: onde ela poderia ter ido? A busca foi muito intensa, as lanternas acesas já davam um clima de horror. A maioria dos vizinhos usava uma madeira, tipo estaca para ir tocando o terreno. Parecia cena de filme. O tempo corria, mas nada de encontrar Lorena. A mãe dela não conseguiu prosseguir ficou sentada à espera de notícias. O pai estava muito nervoso suava como estivesse em uma sauna. Todos já estavam com medo do resultado da busca. Totó, o cachorrinho se afastou muito e logo começou a latir, aguçando os ouvidos de todos. Correram para ver de onde vinham os latidos e ao lado dele, sob uma enorme pedra escura, bem protegida do vento, Lorena dormia profundamente. Foi uma festa, gritos de: achamos! achamos! foram ouvidos de longe. A menina acordou assustada, pois estava alheia aos acontecimentos. Seu pai a pegou no colo, abraçou-a e disse: -Por que veio tão longe sem avisar? Ela já desperta e consciente do acontecido respondeu: -Papai eu faço pesquisas, preciso andar muito para encontrar material. Todos agradeceram a Deus. O frio estava congelante. Cada um tomou o caminho de casa para uma noite tranquila.

6 comentários:

  1. Sempre há meninas como a LORENA pela vida...Essas menininhas danadinhas que se atrevem a ir mais e mais longe, seja em nome do que for...Gostei! beijos, lindo fds! Bom te ver! chica

    ResponderExcluir
  2. Que susto! Não se pode tirar o olhar das crianças porque há sempre o perigo de lhes acontecer alguma coisa. Que bom que acabou bem. Gostei muito do conto.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Que belo conto! As crianças, com sua curiosidade aguçada, costumam provocar sustos assim, enlouquecedores para a família. E achei muito bonitinha a resposta dela. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Um minuto de distração e uma criança pode desaparecer...
    Uma história/conto interessante, gostei de ler.
    Continuação de boa semana, amiga Marli.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Belo conto com suspense,
    Porém com final feliz.
    E tem o amor que nos diz
    Ser ele agente que vence.
    O povo paranaense
    Bem preservou o pinheiro
    E o fruto produz dinheiro
    Todos os anos. O corte
    Condena árvores à morte
    E castiga um Estado inteiro.

    Parabéns pelo belíssimo conto, Marli. Gostei muito. Abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  6. Amiga, como estás?
    Adorei a história, à medida que ia descendo foi ficando tensa, e mais curiosa para ver onde estava a menina!!!
    Muito bom, querida amiga, você tem de escrever mais!! Esbanjando talento!!! rsss
    Um beijinho, saudades!
    Um feliz fim de semana!

    ResponderExcluir

Estamos na Jornada do herói

  “A aventura usual do herói começa com alguém de quem algo foi tirado, ou que sente que falta algo na experiência normal disponível ou ...