4 de fev. de 2023

Lembranças com sabor de café

 


 

 

 

Passavam das 17h. Naquele dia, o frio estava mais intenso do que nos outros dias.

Olhei pela janela da cozinha, algumas folhas secas chocavam-se com as outras, poucos se arriscavam a sair de suas casas para jogar o lixo nas grandes latas colocadas nas calçadas.

Ajeitei um pouco mais o casaco contra o meu corpo, era hora de um café: pensei. Um café quente para mim sempre foi sinônimo de colo e aconchego.

Há um tempo, havia comprado uma pequena caneca esmaltada, de cor vermelha, com um pequeno coador branco fixado a um suporte, dava apenas para uma xícara de café, porém, para mim já era o suficiente. O gosto pelo café passado na hora, era muito particular era como uma bênção na hora exata. A sensação era maravilhosa, pois em instantes, a casa estava tomada por aquele aroma. Simplesmente incrível como uma pequena caneca e um pouco de pó de café podiam rescender pela casa toda.

Sentei-me na cadeira de frente para a janela da cozinha, entre um gole e outro, o aroma me levou para longe e por um momento, em um piscar de olhos, pude ver a minha querida mãe novamente, sentada ali comigo.

Foi dela que adquiri o gosto pelo café passado na hora.

Nossas conversas eram regadas a café e pão quentinho, com manteiga que derretia por todo o pão.

Ficávamos horas conversando, claro que a caneca e o coador eram maiores e de outro material.

Ela com frequência trazia sua cesta com novelos de lã, e sempre perguntava qual a minha cor preferida.

- Para que dessa vez, o que vai tricotar, mãe?

- Vou fazer um gorro, os dias têm sido mais frios, e não quero você reclamando de sinusite, (risos).

Eu apenas revirava os olhos feito criança e bebericava mais um pouco de café, no canto da boca um discreto sorriso, sentia a sensação de que era muito bom ser cuidada, mesmo com a idade que eu já estava.

Entre um ponto e outro, ela sempre olhava para a rua, para ver se o ônibus escolar já estava por perto, meu filho, seu neto, já estava na terceira série do ensino médio, o que significava que sua partida para outra cidade estava próxima. Ele iria estudar fora e teríamos que romper o cordão umbilical, o que com certeza, seria um pouco delicado.

- Mas como está demorando o ônibus! Já são quase seis horas, o que a gente faz?

Ela esperava pelo neto, ansiosamente.

Eu apenas sorria, enchia mais um pouco a caneca dela com café e continuava a ver seus pontos precisos, as agulhas se entrelaçavam rapidamente, dando forma a um novo gorro rosa, com detalhes em verde, já que eu não havia decidido a tempo que cor eu queria.

Eram tardes agradáveis, sinto falta do cheiro do café daquela época, que com certeza, possuía o sabor e aroma muito melhores, pois vinham com o aconchego de mãe.

O calor que trazia o fogão à lenha para a casa, o aconchego à mesa, as conversas com a minha mãe, são quase impossíveis de descrever. Sempre havia assunto, mesmo ela saindo pouco, sendo mais reclusa, ela sabia de tudo e mais um pouco, era incrível isso!

Talvez pelos anos em que ela trabalhou à frente do armazém da família, é... talvez fosse isso.

Olho para a minha pequena caneca, o café já está no fim.

Penso em fazer outro e continuar a divagar pelos anos em que eu conseguia ter a minha companheira comigo, minha querida companheira de café e prosa.

Hoje, o som dos ponteiros do relógio me ensurdece um pouco, ecoa não apenas pela casa, mas em meu coração.

O ônibus já não para aqui em frente de casa, os vizinhos já são outros e as árvores estão secando.

Mas, apesar de tudo o que o tempo vem me tirando, algo ele jamais irá conseguir, o aroma daquele café que eu tomava na companhia de minha mãe.

Levantei e coloquei mais água para ferver, pois seria bom continuar com as lembranças, que o café me trazia.

7 comentários:

  1. Marli, confesso que me emocionei com teu lindo texto..
    Tantas coisas boas que ficaram pra trás.
    Lembrei da minha mãe também. Mesmo sem o café, os novelos de lã, o barulhinho das agulhas que se tocavam rapidamente, me fizeram emocionar. Adorei...
    Tantas e tantas recordações que mesmo passando os anos, o tempo não nos tira ( e tomara NUNCA o faça!)

    beijos, chica e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite de sábado querida amiga Terezinha!
    Que crônica maravilhosa! Emociona ler, com lembranças inolvidáveis.
    O que é capaz de produzir em nossa mente e coração uma memória tão bonita de um passado um pouco distante!
    Você tem muita sensibilidade nas palavras e nos põe diretamente dentro do contexto da sua prosa.
    Tenha um final de semana abençoado!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Mas que lindo texto !..,
    Recordações de belos momentos mas em que uma lágrima teima escorrer.

    Um beijo amigo daqui do Porto.

    ResponderExcluir
  4. Um texto cheio de sensibilidade. Até me chegou aqui o aroma do café. Vou tomar uma chávena quentinha e ficar a recordar as coisas da vida e das pessoas que amei...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Marli,

    Cheguei aqui pelo puro acaso de ter visto o teu nome nos comentários de outro blog. Temos o mesmo nome e isso foi decisivo para esta visita, rsrs.
    Gostei bastante deste texto, que sem apelar para a pieguice, resultou sensível e terno.

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Marli, querida, que crônica maravilhosa, quem não se emociona, quem não traz suas lembranças de outrora?
    Crônica leve, e tão bem escrita, amiga!!!
    Levanto da cadeira e lhe aplaudo!!
    Vou lhe escrever por e-mail
    Um ótimo fim de semana, saúde e paz
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  7. Um bom café e uma boa companhia fazem momentos inesquecíveis.
    Pena que o café já nem cheire, vem em cápsulas prontinhas para usar...
    Magnífico texto, gostei de ler.
    Boa semana, amiga Marli.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Na época das galochas

      Presenciei um fato, que me trouxe à memória um acessório, a galocha, que era usada sobre os calçados em dias de chuva. Principalme...