6 de ago de 2011

Isso, Isso, Isso!

O SBT, numa excelente estratégia para angariar mais IBOPE, bem como sucumbindo à pressão dos fãs do seriado Chaves/Chapolin no Tweeter, iniciou no mês de Agosto a exibição dos episódios ‘’perdidos’’.
Eu sou fã confessa desses seriados.
Temos livros, teses e trabalhos psicológicos e semióticos sobre o Chaves, mas penso comigo: um trabalho cujo tema é a simplicidade, não há como estudá-lo na complexidade de tais ciências.
Os números que envolvem o seriado Chaves são impressionantes: está há 40 anos no ar, exibido em mais de 120 países, o Twitter de Roberto Bolaños, criador do Chaves e seu intérprete, tem mais de um milhão de seguidores em menos de 2 meses.
Quando eu era criança adorava ver o ‘’Seu Madruga’’ pulando em seu chapéu quando a ‘’Dona Florinda’’ dava um tapa em seu rosto e seu filho ‘’Quico’’ o chamava de gentalha. Achava engraçado e ficava com pena dele. E só.
Hoje, as cenas são as mesmas, mas a visão é outra: violência e bullying.
Quando o autor criou o seriado, ou os seriados, ele não quis ir além da simplicidade no cotidiano das pessoas que moram em uma vila, as crianças que brincam de uma forma saudável, a convivência dos vizinhos, e a pobreza no País de terceiro mundo.
Talvez esteja aí,o encanto de Chaves, seu tema será sempre atual.
E quando o assistimos, nos dá vontade de resgatar certos valores, e brincadeiras.
Quem teve sua infância no interior, sabe muito bem como era bom brincar de amarelinha, pular corda, brincar de boneca de pano, transformar uma poça de água no rio onde você colocará seu barquinho de papel.
Não há teses para explicar o porquê gosto de Chaves, eu apenas gosto. Gosto de chegar em casa ligar a TV depois de um dia de trabalho, e saber que assistirei a um programa cujos personagens são parecidos com a minha realidade.
Nada de joias, futilidades, carros importados, mesas com caviar, e personagens que nos ensinam a trair, clonar quadros e vendê-los no mercado negro, ludibriar os humildes para alcançar nossos objetivos como podemos perceber nas novelas.
Nossas crianças precisam resgatar os valores que nós tínhamos quando éramos novos. Precisam saber como é bom ajudar seu vizinho, que a vida tem sim suas dificuldades financeiras, que há outras milhares de crianças com fome no mundo, que o sol não nasceu para todos.
O SBT acerta em manter Chaves no ar por tantos anos. E espero que por muito mais.
Eu li em uma das matérias sobre o SBT que o mesmo é uma rede da ‘’Arca de Noé’’ por ter apresentadores mais velhos e programas reprisados.
Por gentileza, apresentem para mim um programa INÉDITO, cujo apresentador seja BOM e que valha a pena assisti-lo.
Não há. Falo aqui em TV aberta.
Tremo só de pensar o destino que terá nossos programas televisos, filmes e músicas daqui para frente.
O cinema está relançando filmes que já foram sucesso: Planeta dos Macacos, Star Wars.
Agora lança Smurfs, o filme. Desenho esse da década de 80.
As músicas estão sendo regravadas.
Os programas, todos sabem, são cópias pioradas uns dos outros.


Seja pelo tema, pelos personagens caricatos ou pela simplicidade, Chaves vai permanecendo, sem muito alarde, na ativa.




Mariane Boldori

4 comentários:

  1. oi Marli,

    acho mesmo que permanece pela
    inocência,
    pela pureza e pela simplicidade,
    porque na verdade,
    não gosto muito não,
    mas meus filhos mesmo crescidos,adoram...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Rô,realmente precisamos resgatar um pouco de muita inocência em nossas vidas,com certeza seremos muito mais felizes.Obrigada e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Marli,

    adorei seu passeio e palavras nos blogs. Passo por aqui e sempre aprecio e aprendo. Um dia vamos nos encontrar e tomar um café, ver um filme, e andar juntas pelas ruas. Grande beijo,

    E.

    ResponderExcluir
  4. Eliane,obrigada pelas palavras.Fiquei feliz em saber do seu desejo em nos encontrarmos para um café.Quem sabe possamos encurtar a distância.Um grande beijo!

    ResponderExcluir

Sejamos o milagre

Costumo dizer que nunca um filme é 100% perdido, mesmo aqueles que não caem em nosso gosto artístico por completo. Sempre há possibilidad...