26 de jul de 2017

Sobre os dons das pessoas

Há pessoas que nasceram com dons, outras, acredito eu, que desenvolveram através de técnicas e aulas.
Conheço pessoas que resolvem contas matemáticas quilométricas em algumas horas, contas essas que eu nem imagino por onde começaria.
Outras, quando abrem a boca, parece que há anjos em suas cordas vocais que nos levam para um lindo passeio por entre nuvens e pensamentos saudosistas...
Outras, que afiam seus lápis e canetas, e nos levam a outros mundos, a novas descobertas.
Costumo dizer que não há outra atriz para interpretar Cleópatra que não seja Elizabeth Taylor. Assim como não há outra atriz para Tieta além de Betty Faria. Aqui abro um parênteses, a novela atualmente é reprisada no canal Viva em três horários distintos, incluindo os domingos, e, mais uma vez, alcança um público que supera de longe todas as novelas atuais da rede Globo, e uma das causas principais é justamente Betty Faria interpretando Tieta.
Mas, voltemos aos dons natos. Betty Faria, Elizabeth Taylor, Elvis Presley, Frank Sinatra, Meryl Streep, Albert Eistein, Stephen Hawking, Osvaldo Cruz, Jorge Amado, Clarice Lispector… têm algo em comum: dom. Dom que nos faz suspirar, sorrir, chorar, indagar, viajar, seja nas telonas, telinhas, livros ou CDs.
E, sim, acredito que essa seja a missão deles: nos encantarem com seus dons geniais. Com suas escritas, voz ou atuações.
Hoje, fala-se mundo das crianças índigos, dizem os estudiosos que elas nascem com uma aura azul-indigo e que vieram para trazer a mudança que o mundo precisa, principalmente em relação a reaprender a amar.
Esse é o dom dessas crianças, ensinar ao outro a amar. Todos temos algo intrínseco em nós, seja pequeno ou grande, a mudança sempre aparece em um determinado momento de nossas vidas para mudarmos as nossas vidas e a de outros.
Erroneamente ouço pessoas dizendo “eu não sei fazer nada” ou “eu não nasci com talento para nada”. A questão é: será que essas pessoas estão olhando para o lado certo ou simplesmente desperdiçam seus tempos no mundo esperando o dia de suas mortes, fazendo apenas o básico? 

Sim, porque você ter dom é uma coisa, agora lutar para mostrar ele ao mundo, é muito diferente.
Quantas horas você acha que um ator se prepara para uma simples cena? Quantas palavras negativas e desnecessárias cantores ouviram até chegarem no seu momento atual? Quantos comentários maldosos Clarice Lispector leu a respeito de suas obras?
O preço para demonstrar seu dom nem sempre é baixo, acredito que seja um dos mais altos, pois todo começo exige mais do que podemos imaginar. Há uma cobrança externa e interna. Há dúvidas, medos, anseios, perspectivas até chegar onde se deseja. Até poder demonstrar ao mundo o porquê de você estar aqui.
Essas crianças índigo são exemplos disso: elas falam em amor, em não matar animais, em um mundo capitalista, egoísta e que não se importa com o próximo. Elas são tachadas, discriminadas e incompreendidas. Mas estão ali, aqui, lá, mostrando ao mundo seu dom maior.
Quantas pessoas foram discriminadas em seus inícios? Quantas foram desacreditas? Um deles é Albert Einstein, que foi desmotivado por um dos seus professores a não persistir, a não investir nele mesmo, foi tachado de “burro”, “lento demais”, “sonhador”. Todos temos nossos dons e o momento certo deles aflorarem. Temos que estar preparados o bastante para “aguentar o tranco” que virá junto a esse desabrochar.  Se temos um dom, é porque o mundo o espera. Não teria porque dele existir se não fosse para se mostrar, para arrombar portas e invadir mentes, corações e almas.
Há pessoas que fazem muita diferença em nossas vidas, mesmo sem se darem conta disso, utilizam para isso seus dons. 
Mas, há um dom em especial, que todos têm dentro de si, colocado diretamente pelas Mãos de Deus, e hoje perde espaço para muitas outras coisas materiais: trata-se do amor.
O amor que não mede caminhos ou esforços, o amor que estende a mão, que abraça, que afaga, que sorri e faz sorrir, o amor que preenche, que aquece, que permite. Exatamente o que Deus colocou dentro de nós, mas que muitos já não o percebem mais, e o trancaram em uma caixa e não sabem onde está a chave.
Esse dom maior, que ouso dizer, move todos os outros. E que quando é perdido, a vida se torna fria, as pessoas se distanciam e tudo se torna opaco.
A centelha da vida está em cada um de nós, assim como o amor. Um veio junto com o outro, mas o outro, muitos deixaram de lado.
Os dons movem o mundo, as pessoas, mas o maior de todos precisa ser resgato com urgência. Para que todos os outros não padeçam.
Imagens: Google



12 de jul de 2017

A robotização da massa

Vejo pessoas  robotizadas  pelas ruas, cabeças baixas, dedos deslizando sobre pequenas telas pretas.
Ando pelas calçadas com as mãos nos bolsos, sinto-me invisível,
confesso que até prefiro ser invisível, às vezes.
Pessoas  andam com as cabeças mais vazias, e a língua mais afiada para projetar a maldade, nas pessoas  que atravessam o seu caminho. 


No meu MP4, Zé Ramalho canta “ Admirável Gado Novo”
e penso que, pela primeira vez, prestei atenção nesta letra,
na profundidade e significado de suas palavras, a letra foi inspirada na obra de” Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, a qual foi composta em 1979, como consta em sua biografia, ela foi um protesto à época do governo militar, porém  fico a pensar: em que momento o Brasil saiu do marasmo de estar deitado no berço esplêndido?
Falemos aqui da descoberta do nosso país, quando portugueses, principalmente, tomaram e fizeram das nossas  terras seus celeiros, nos quais guardavam o que há de pior ,
usaram nosso país como cobaia, levaram nossas riquezas,
povoaram-no com pessoas que para eles nem serventia tinham mais, e estas mesmas pessoas que encontro de cabeça  baixa, olhos fixos nas pequenas  telas pretas são as que assumem que não gostam e não querem saber de política.
Como se algo maligno ela representasse.
Mas não é assim! 
A política, em si é boa, desde que feita da forma correta e que os políticos que a representam no momento, sejam cobrados de forma correta, porém, aqui dentro, sinto que,   cada vez que um brasileiro diz: não gosto e não quero saber!
Um político dá gargalhadas, com os bolsos e cueca cheias de dinheiro, cheias com o nosso dinheiro.
Este mesmo, tão suado, que Zé Ramalho canta, este que temos que trabalhar mais e mais para pagar mais e mais impostos.
Aquele que é prometido para a saúde e educação, mas quando nos damos conta ambos  os campos foram maquiados,  meus amigos, digam-me: qual político em sã consciência, hoje, quer um povo saudável e inteligente?
Um povo que não dependa mais deles? Um povo que saiba como decidir, interpretar e entender qual político realmente levará a política a sério?
As escolas  estão doutrinadas para ensinarem o básico, aquilo que convém ao governo,
prova disso foi o livro abolido há pouco tempo, ainda do governo anterior, em que o MEC ( sabendo sem saber ), liberou verba para ser impresso, o qual deixou famílias em polvorosa quanto ao seu conteúdo  sexual e explícito.
E os valores vão se perdendo pelo caminho... como as migalhas de pão do conto infantil de  João e Maria, e quando eles  tentam voltar  percebem que as migalhas já foram comidas, e não há outro final a não ser o enclausuramento.
É justamente isso que percebo em nosso sistema político hoje: vamos deixando migalhas pelo caminho, que são comidas por eles, políticos que são pagos com o nosso dinheiro,
para que assim, não possamos mais voltar e recomeçar.
Lembro um ano em que milhões de brasileiros foram às ruas, queriam  o Brasil de volta para nós...
Por um lado conseguiram, mas... sinto que os brasileiros de bem acordaram tarde demais...
Aquele berço do início, lembram-se? Pois é...
Talvez faça parte do Hino Nacional por um motivo verdadeiro, o gigante acordou por alguns dias, mas voltou a dormir.
Esta é a realidade.
O país está fragmentado por culpa do próprio brasileiro que decidiu escolher” lados”, e não o seu país, pois quando o povo escolhe um lado (esquerdo, direito, centro) para defender, que não seja o seu país, tudo começa a ficar perigoso...
Alguns brasileiros escolheram lados, e não a sua bandeira, símbolo máximo de representação da nação brasileira.
E não percebem que, nos bastidores, esses mesmos políticos que eles defendem, e até brigam por eles, estão sentados em restaurantes luxuosos, fazendo acordos contra estes mesmos brasileiros.
A música de Zé Ramalho, escrita em 79, não era alusiva ao período militar, ela é alusiva a todos os períodos políticos que vivemos, desde sempre.
Ouço muitos falarem: por favor, devolvam o Brasil aos índios!
Mas até eles perderam sua identidade.
Penso como é estranho um país com pessoas de bem, que quando é preciso dão-se as mãos e ajudam ao próximo, mas ser massa de manobra nas mãos de poucos...
O brasileiro provou, inúmeras  vezes, que é capaz de mudar o rumo da história, e talvez ela esteja mudando, mas  como sabemos  nosso país, é imenso... tudo acontece devagar.
A sensação é de nadar contra as ondas  todos  os  dias, e cada vez mais sentir a beira do mar, longe de ser alcançada.

... e elas continuam a andar com a cabeça baixa.
Fotos: Google


2 de jul de 2017

Se eu puder falar...

Quero um dia poder sentar ao lado de uma criança, da mais tenra idade e conversar com ela,
contar como a vida vai lhe pregar peças, mas tudo será para o seu aprendizado, também
contar a ela que sim, muitas vezes ela irá chorar escondido, contar uma mentira ou outra, precisar engolir o orgulho e aprender a se perdoar.
Dizer-lhe que o mundo gira e, ele não pára cada vez que um problema vier a afligir seus dias.
Que as horas já não passam mais, elas voam! E que ela deve aproveitar cada segundo para viver. 

Que ela sentirá uma vontade enorme de ir embora de casa, ficar longe da família, dos pais
Que ela começará a se incomodar em beijar a mãe ou o pai quando for deixada na porta da escola, mas, um dia, quando os anos passarem, o que ela mais vai querer é voltar para casa deles, para abraçá-los e beijá-los.
Que não há nada mais saboroso que a comida da avó, e nem colo mais aconchegante que o dela.
Que ela pode, e deve cometer erros, mas nunca os mesmos!
Que a gente só aprende na dor, no sofrimento, e amadurece e se torna mais forte.
Que a felicidade é passageira e a dor também!
Que homem chora sim, e mulher aguenta o tranco.
Que a vida é mais perfumada quando percebemos os detalhes simples.
Que todas as estações do ano têm seu encanto mesmo que ela deteste calor ou frio, porque
 a natureza faz parte da gente e nunca deve ser destruída, mas sim, cultivada, amparada e admirada.
Que o sorriso de uma criança colore nosso dia,
Que um abraço apertado cura muitas dores, e
que um aperto de mão acalenta o coração,
que troca de olhares, ainda são importantes, mesmo que cada vez mais raros,
diria a ela para nunca perder a centelha de esperança que nasceu com ela, e
que tudo tem seu tempo certo, então não adianta se aborrecer se algo não sair como planejado naquele momento.
Que há um ser maior que tudo que podemos  imaginar, e que ele nos ama exatamente como somos.
Que vale a pena ser bom, mesmo que o mundo, às vezes, nos mostre o contrário.
Que roubar um beijo, fazer uma declaração de amor ou dançar apenas uma música com alguém, pode tornar essa pessoa a sua pessoa especial para toda vida, portanto: arrisque-se mais!
Que no final do dia, sempre devemos agradecer por tudo estar bem, por mais que isso não seja 100% verdade: palavras positivas atraem resultados positivos.
Que devemos reclamar menos e fazer mais.
Que nunca seremos perfeitos, mas somos perfeitos para alguém e alguém será para nós.
Que os estudos ainda serão o caminho certo a seguir, e
que ela deve sempre respeitar a todas as pessoas, mas principalmente a seus pais.
Que ela vai sofrer por amor, mas vai passar...
Que por mais que o dia esteja cinza, quem o deixa colorido somos nós mesmos.
Que a felicidade está dentro de nós, e o sorriso é gratuito e deve ser dado mais vezes.
Que é permitido fugir da dieta, dançar na chuva, andar descalço e sentir a grama sob os pés, mesmo que você já tenha passado dos cinquenta.
Que a vida é um constante recomeço, todos os dias, e nunca será igual, pois
 o passado não volta, e as pessoas que se foram, ficam na lembrança.
Que não haja mágoas, nem ressentimentos, porque ressentir-se é lembrar da mágoa novamente, e que perdão ajuda muito.
Por isso, seja especial na vida de cada um que você encontrar pelo caminho, pois serão as lembranças que elas levarão de você, e não o quanto de riqueza material você deixou.
Imagens Google

O outro lado da cegueira

Um dos trechos mais comentados e que mais aprofundam o leitor dos personagens é quando Saramago escreve:  “O medo cega (…) são palavras c...