29 de jul de 2015

O amor está fadado ao fracasso?

Parei um tempo para olhar a chuva escorrendo pelo vidro da sala. Através dele, percebi um casal sob o guarda-chuva, esperava para atravessar a rua. Ele, com o braço entorno da cintura dela, tentando protegê-la dos pingos incessantes. Peguei minha caneca de chá, o dia estava frio, segurei com as duas mãos para esquentá-las um pouco. Comecei a divagar... 
Será que o amor está fadado ao final, ao fracasso ? Quantos casais vivem juntos por 50 anos ou mais ? Quantos enfrentam a vida a dois juntos ? Quantos tentam consertar ao invés de jogar fora ? 

Os relacionamentos hoje me parecem tão superficiais. Talvez pela correria, ou pela frieza que as feridas da vida tornam nosso coração. Ou pelos tombos que levamos e deixamos, com isso, a desconfiança toma nosso coração e pensamento. A superficialidade de uma transa e depois o adeus. Apenas para contar pontos com os amigos. Não há mais o namoro, o conhecer, o mistério de descobrir, aos poucos, o sabor do beijo, se o abraço será capaz de aconchegar o outro corpo e protegê-lo. Hoje, a velocidade chegou nos relacionamentos também. Onde o ter, é mais importante que o descobrir. Talvez por isso não dure... Primeiro a cama depois a gente vê como fica. Mas aí, você começa a descobrir que ele ou ela não gosta de Neruda, tem pavor de andar de mãos dadas e adora filmes de terror. Tudo o que você não quer para a sua vida, ao seu lado, está ali, bem na sua frente, e você já não acha mais graça nas piadas sobre banalidades, e você não sente mais falta quando ele ou ela não manda mais mensagem, e você começa achar aquele perfume doce demais. 
E o encanto começa a desaparecer, e os detalhes começam a incomodar, e você já não deixa pra lá como antes ou, simplesmente, não liga se ele ou ela não aparecer no final de semana com mais um filme da série Jogos Mortais. Pelo contrário, você respira com alívio. Já não se enfeita como antes, e coloca qualquer coisa só porque não pode andar sem roupa. 
E o tempo passa... e o distanciamento é tão inevitável que, quando se dá conta, não há mais ninguém em sua vida. E você não sabe onde errou, onde começou a dar errado. E hoje, sob a chuva, segura o guarda-chuva só. Sem um braço entorno do seu corpo, sem um sorriso quando seus olhares se cruzam e, estranhamente, você se sente bem, feliz. E tudo vai tomando novas cores, novos aromas. Retoma os contatos antes deixados de lado, os sonhos esquecidos. 
Acho que não é o amor que está fadado ao fracasso mas, sim, aquele sentimento que não agrega valor ao seu... tomo um gole de chá, sorrio sozinha. Abro meu Neruda: " Um homem só encontra a mulher ideal quando olhar no seu rosto e ver um anjo e, tendo-a nos braços, ter as tentações que só os demônios provocam..."

15 de jul de 2015

Por Tudo



O dia estava cinza, chuvoso...
Eu havia me perdido de mim mesma inúmeras vezes
Eu havia perdido tudo, antes da última chance
Agora estava só
Tentei ser forte, tentei não chorar
Foi quando você apareceu
E você olhou para mim
De uma forma que ninguém jamais olhara antes
E você apareceu
Segurou minha mão
E não se foi após o nascer do sol
Eu olhei em seus olhos e me reconheci neles
Sem mover os lábios, você me prometeu nunca mais me deixar
Que nasceria ali algo que seria para sempre, além do além
E, pela primeira vez, eu não quis correr
Eu apenas apertei sua mão contra a minha
E pedi para que você ficasse
E você acenou
E sorriu com o olhar, tão terno...
E eu acreditei num futuro
E as sombras foram embora
Você foi o presente que eu tanto pedira
E eu sei, eu tenho certeza, ninguém irá nos separar
As sombras foram dissipadas
A dor se foi
Tudo porque você segurou a minha mão quando eu mais precisei
Tudo porque você aceitou ficar

... até a eternidade. 

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...