10 de ago de 2015

Quando o espetáculo finda...

E a luz apagou.
A passos lentos, dirigiu-se ao camarim.
Margaridas brancas em um pequeno vaso, faziam-lhe companhia.
Sentou-se em frente ao espelho.
Abriu a pequena gaveta.
Em meio a maquiagens e ilusão, pegou um pequeno pedaço de pano.
Aos poucos, a maquiagem foi dando lugar às rugas e marcas do tempo.
Olhou para o relógio, faltavam dez minutos para daqui a pouco.
Depois daquela noite, nunca mais.
De repente, ao se dar conta, percebeu seus olhos marejados
Mas, dessa vez, não pela alergia que a maquiagem causava
Apenas porque o tempo passou
Apenas porque o mundo se tornara mais frio
E as crianças de hoje, já não queriam mais aplaudi-lo no picadeiro
Já não o consideravam mais.
Mas seus olhos brilharam ainda que mais uma vez, ainda que pela última vez
Ao perceber, atrás da coluna de concreto
Um pequenino, com uma bola de plástico vermelha no nariz,

Reverenciando o público imaginário.  

18 comentários:

  1. Lindo e emocionante!!! Pobre palhaço!!! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. O meu aplauso para este post...Parabéns!!

    Tenha uma excelente semana.
    beijinho

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Gostei demais! Tudo passa e ninguém fica eternamente no palco. Sentir que foi importante, ao ver seu exemplo seguido, é felicidade, não só para o palhaço em fim de carreira, mas para qualquer um. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito, amiga.
    Não é fácil "desligar" da ribalta e olhar a realidade. Fica sempre um espaço de esvaziamento... Aprender a lidar com isso, exige muita força interior.
    Bjo, Marli :)

    ResponderExcluir
  5. Por algum momento coloquei-me no lugar do artista mágico despedindo-se do picadeiro, onde fazia crianças e adultos felizes, e pude sentir um pouco da amargura causada por tal despedida.
    Abraço, Marli.

    ResponderExcluir
  6. Muito tocante. Gosto dos palhaços. E acho que não têm uma vida nada fácil...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, a realidade por vezes ou muitas vezes é cruel, ela trás o transtorno e um vazio de alma. O texto é maravilhoso.
    AG

    ResponderExcluir
  8. Querida amiga Marli, amei teu poema, o qual remeteu-me à minha infância, época que eu amava o circo.
    Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Marli
    O tempo passou e a frieza implantou-se.
    A consciência dói como uma ferida aberta no peito. Inultrapassável. Pode-se enfeitar a realidade, enganar os olhares alheios, engolir a lágrima, mas a dor não abranda.
    Palhaço e tristeza não combinam, mas é realidade.
    E, na pele do palhaço, muitos de nós.

    bj amg

    ResponderExcluir
  10. Maravilhoso! parabéns amada! beijinhosssssssssssss

    Rúbia

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Marli..
    semana atrás esteve aqui na minha pequena cidade um circo..
    e é bem o que retrataste..
    parece que a alegria se perdeu..
    as pessoas mais frias, mais distantes..
    que um dia isso mude..
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Encontro-me de férias na Escócia, de momento em Thurso, a dois passos do Mar do Norte, onde o acesso à Net (e à civilização dum modo geral  ) é bastante difícil.
    Quando regressar a Bagno a Ripoli, o que deverá ser em finais de Setembro, visitarei todos os blogs amigos.
    Até lá desejo-te tudo de bom e dias muito felizes.
    Um beijo
    MIGUEL / ÉS A MINHA DEUSA

    ResponderExcluir
  13. Olá, querida Marli
    Emocionante de se ler!
    Realidade dura para todos e não só os palhaços...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  14. eis u grandioso talento: tocar na emoção da gente! lindo lindo, abração

    ResponderExcluir
  15. Emocionante texto com expressivas palavras. uma bela semana

    ResponderExcluir
  16. Belo e triste, Marli. Boa semana!

    ResponderExcluir
  17. Muito bom, Marli!
    Seu texto é muito sensível e atento a todos os detalhes!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...