18 de set de 2017

O outro lado da cegueira

Um dos trechos mais comentados e que mais aprofundam o leitor dos personagens é quando Saramago escreve:  “O medo cega (…) são palavras certas, já éramos cegos no momento em que cegamos, o medo nos cegou, o medo nos fará continuar cegos”(…) “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”.
Penso comigo quantos, desprovidos da visão física, reparam no próximo muito mais, que nós, que temos a visão perfeita, fisicamente falando, e a história nos leva ao submundo do ser humano, uma pitada de algo animalesco, em que nos despimos de toda moral e bom costume, e mostramos que nem sempre somos fortes a certas situações como queremos mostrar à sociedade.
É bíblico falarmos “ajuda ao teu próximo”, mas quantos o fazem? Quantas pessoas vem e reparam no próximo? Diante de inúmeras diversidades, quantas fazem algo? Quantas saem do comodismo e realmente fazem algo?
Não sei se somos cegos propositadamente ou porque fomos acostumados a sê-lo, há sempre um pouco de comodismo em cada um de nós, que grita mais alto quando se trata de arrancar as vendas dos olhos e ser empático. 
Na história, que retrata a todos nós, aos poucos a natureza humana vai ficando de lado, e o animal surge, pela simples e pura luta por sobrevivência, por um pouco de comida e água.
Analisando a obra acredito que pouco mudou de 1995 para cá. Aceitamos muitas coisas passivamente, fingimos não reparar em outras.
“Se não formos capazes de viver como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais.”

E como dizia José Saramago: Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo.

20 comentários:

  1. Lindo e bem reflexivo texto.. Por vezes aceitamos mesmo as coisas como se tudo fosse normalidade... Linda semana,bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto!! Parabéns.
    Beijos
    Boa noite

    ResponderExcluir
  3. Olá, O assobiar para o lado, o não querermos ver, por comodismo é ser cegos, ao sermos parte da sociedade não podemos olhar só para o nosso quintal como tudo aquilo nos rodeia não nos interessa, não faz parte de nós, quando assim procedemos, somos cegos por interesse.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
  4. Marli
    Gosto das tuas crónicas, porque obrigam a pesar, pelo seu teor acertivo, Vale o pensamento que Saramago nos deixou e que citas: "não tenhamos pressa, mas não percamos tempo".
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida Marli!

    Um texto, como sempre, mto bem escrito e que nos põe a pensar.
    Cada vez nossos olhos têm mais "cataratas", que, a não serem tratadas darão em cegueira.

    Vivemos no nosso mundinho e Saramago também viveu, embora os seus livros digam o contrário, mas teorizar é fácil, mto fácil, embora eu saiba que a palavra tem importância na sociedade, sobretudo na erudita.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  6. Crônica perfeita, o outro lado da cegueira. e como muitas vezes somos assim. Cegos enxergando.
    Grata pela visita ao meu cantinho. Serás s sempre bem vinda! Abraços, tenha uma noite de paz e um amanhecer feliz. Bjuss

    ResponderExcluir
  7. Olá, Marli!
    Um tem apropriado para reflexão, ainda mais quando vem inspirado no excelente Saramago. Muito bom! Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  8. Bom dia, Marli.
    A cegueira parece uma companhia constante, infelizmente.
    A maioria de nós, não percebe esse estado de cegueira porque não se aprofunda, teoriza demais,por isso, esse comodismo infrutífero vem e nos aniquila.
    Temos de lutar diariamente, para abrirmos os olhos da alma com reconhecimento e atitudes.
    Gostei muito.
    Tenha um excelente final de semana.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  9. Concordo plenamente contigo e acrescento: "A cegueira é conveniente" se não vemos não nos incomoda.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, colega Marli!
    Linda postagem, repleta de verdades. Sábio Saramago, sabe bem como é a vida, sabe bem do que está falando.
    Ei, moça!
    Tem postagem novinha em "GAM Dolls (2)". Passe por lá e confira!
    Ficarei feliz com tua visitinha e comentário, sempre tão gentis.
    Te desejo um lindo fim de semana. Abração pra você! :)

    ResponderExcluir
  11. "Mestre Saramago" dispensa todo e qualquer comentário... Realmente, o pior cego é aquele que não quer ver... principalmente quando essa visão nos tira da nossa zona de conforto. Apropriamo-nos das mesmices e assim vamos vegetando... Não vivemos!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Um texto muito reflexivo. Saramago foi um homem muito lúcido. Eu gostei muito de ler o "ensaio sobre a cegueira"
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Belo post, Marli... com o qual estou inteiramente de acordo. Nada nos pode cegar tanto como o medo, que muitas vezes faz com que nos comportemos como animais. Gostei muito, boa semana!

    ResponderExcluir
  14. Delícia de leitura
    vc me proporcionou...

    Bjs.




    .

    ResponderExcluir
  15. Não queremos ver o que pode causar um abalo nas nossas crenças, daí vem a supressão da realidade! Saramago é um iluminista, alguém que tentou doar essa luz que precisamos! beijos

    ResponderExcluir
  16. São sempre muito pertinentes estas reflexões sobre a semântica do termo "cego". Lá diz o ditado: o pior cego é aquele auê não quer ver. Além do comodismo, do egoísmo e afins, há, por vezes, a necessidade de fingir que não vemos as terríveis injustiças, para conseguirmos viver e dar o afeto imprescindível aos amores da nossa vida. Naquilo que está ao meu alcance, ajo contra atitudes cegas que destroem o ser humano.
    Bjinho

    ResponderExcluir
  17. Um texto pertinente que requer uma atenção especial e bem refletiva!
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. É verdade, Marli, muitas vezes não queremos enxergar. Não sei se você viu, passou no jornal Nacional, um grupo de cegos foi visitar um museu de arte moderna. Chegavam nas peças e tocavam delicadamente para sentirem a forma, a textura... Ficaram felizes! Eles desenvolveram um sentimento e uma maneira de ver que não temos. A sensibilidade é maior. Nós, que enxergamos tudo, agimos de uma maneira, as vezes, pouco ética.Deveríamos ter e ser mais verdadeiros.
    Beijo, querida, um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  19. Lindo texto de advertência! O homem é um animal predador de si mesmo. Quer na destruição do meio, quer no cotidiano de seus costumes. E o triste, é que o homem é inteligente em sua individualidade, mas a massa humana é ignara. Pior: fanatismo mata mais que o câncer e sua egressão é menor, ou seja: o fanatismo cresce assustadoramente. Temos que ter fé e pregar a bondade além de praticá-la. Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  20. Amiga, o texto nos trás uma advertência importante. No Brasil tem muitos cegos usando o nome dos brasileiros vergonhosamente. Infelizmente estou assistindo mais uma barração no Brasil. Abraços com desejos de uma noite de paz.

    ResponderExcluir

A velhice nos torna conscientes ou covardes?

Imagem da Internet Ouvindo Lendro Karnal falar sobre o tema “A Consciência nos torna covardes”. Em sua fala sempre muito filosófica...