29 de nov de 2018

A consciência do bem e do mal


   

      Hoje, em uma roda de amigos, o assunto foi sobre as decisões erradas que tomamos e o mal que causamos às pessoas, muitas vezes inconscientemente, pois nem sempre temos consciência para diferenciar se é bem ou mal.
    Conceituação de bem e mal: em religião, ética e filosofia, o bem e o mal referem-se à avaliação de objetos, desejos e comportamentos através de um espectro dualístico, onde, numa dada direção, estão aqueles aspectos considerados moralmente positivos e, na outra, os moralmente negativos.
Podemos analisar a frase que ouvimos diversas vezes e até fazermos uma analogia com o tema.
A Luz não existiria se não houvesse a Escuridão
  Estamos em luta pessoal diariamente, o que nos mostra que há dois exércitos, o do mal e o do bem, e que às vezes a nossa consciência decide assumir um deles em certa altura da vida, e assim temos a certeza de que o bem e o mal têm potencial igual. Será que fazemos o mal?
Então vem a pergunta: o que é considerado errado, o que é considerado como o mal, o qual nos leva para o lado sombrio?
Há infinitos atos que praticamos e, sequer imaginamos ser algo que cause o mal às pessoas.
A manipulação emocional, a acusação fútil, a injúria, a maledicência, a inveja, humilhação, luta pelo poder, preconceito, discriminação, impaciência, preguiça e tantos atos que praticamos como se fossem normais, esquecemos dos ensinamentos de Jesus.
   Atualmente, percebemos que muitas pessoas sentem vergonha em falar sobre Jesus, mas se dizem cristãos, há aqueles que vão à igreja com frequência, mas apenas por uma questão social, pois não praticam o que foi ensinado por ELE.
Muitos estão cegos, igualmente como ficou o apóstolo Paulo, cujo nome original, era Saulo de Tarso, escritor do cristianismo primitivo, foi o maior perseguidor dos cristãos. Certa vez, quando Saulo fazia a sua perseguição, caiu do cavalo e ficou cego. (Discute-se muito se ele caiu do cavalo, mas o que nos interessa é que ele caiu, e teve uma visão de Jesus, envolto numa luz incandescente.)
Foi conivente com o assassinato do protomártir Estêvão, que morreu por apedrejamento.
Protomátir =Primeiro mártir de uma religião ou de um ideal político.
Jesus lhe perguntou: - Por que me persegues? Após o acontecido, Saulo se converteu ao cristianismo e passou a seguir com Jesus.
Também podemos cair, porém não devemos ficar de rosto colado ao chão, sem enxergar nada, às vezes não sabemos como agir, basta nos perguntar:- Jesus, qual seria o seu jeito?
No início do século XX, nos Estados Unidos, foi lançado um livro com o título:
"Em meu lugar o que Jesus faria?" Devemos aprender a ouvir, no silêncio da alma, a resposta que está em nossa consciência.
   Temos aulas de oratória para nos ensinar a falar melhor, a convencer e a persuadir, mas não aprendemos a ouvir, não nos ensinaram. Então como podemos ouvir Jesus?
   Quando aprendermos a ouvi-LO, saberemos ouvir o outro,( nosso próximo).Só nós  podemos fazer isso por nós mesmos, eu até posso pedir que rezem por mim, portanto somente cada um de nós, vai aprender "de" Jesus, porque sobre Jesus aprendemos nos livros, nos filmes, nas palestras, mas só aprendemos "de" Jesus, com ELE. Ninguém aprende, vive ou sofre em nosso lugar.
Vamos aprender a ouvir, a enxergar, para sabermos distinguir em qual exército devemos permanecer para lutarmos ativamente, exército do bem ou o exército do mal, e o conflito, com certeza não está entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância.

Podemos reafirmar junto a Platão: "A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento."   

16 comentários:

  1. Boa tarde:- Quando não existe maldade ou existe inconsciência do mal, pode acontecer ferirmos outras pessoas com aquilo que dizemos. Nem sempre distinguimos o momento e/ou a hora mais própria para dizemos o que pensamos. É um facto real.
    .
    * Utopia de um Amor delirante *
    .
    Cumprimentos poéticos.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom este post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Cada um deve tomar consciência do que diz, do que faz, e do que quer! Bom texto!
    Beijos e um excelente fim de tarde!

    ResponderExcluir
  4. Querida Marli, reflexivo seu texto, sempre a dualidade, há sempre os dois em cada um de nós, o bem e o mal, temos de sentir e perceber um e o outro para seguirmos no caminho certo!
    A única coisa certa é que, sempre arcamos com as consequências de nossas atitudes!
    Amei ler aqui, texto bem elaborado!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Marli!

    Leio seus textos como mto agrado e não posso afirmar k o faço de um fôlego só, visto que eles requerem reflexão e mta atenção. São assuntos mto sérios e interessantes.

    Sabemos k o bem e o mal existem, ambos podem ser praticados pelo Homem, embora eu não entenda o motivo de um criança, por exemplo, sofrer de câncer, qdo deus, dizem, é amor, mas essa temática nos levaria longe e não é disso, propriamente, que se trata, agora.

    Creio k quem pratica o mal, tem disso total consciência, tal como quem pratica o bem, mas o k é bem pra uns, pode ser mal pra outros. É difícil, generalizar.

    Se diz "quem semeia ventos, colhe tempestades", nem sempre assim acontece, afirmo eu.

    Creio que é entre a ignorância medieval, que preenche o cérebro de muitas pessoas e o conhecimento satisfatório de alguns, k se encontra a resposta. Platão tinha toda a razão.

    Beijos e bfds.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, colega Marli!
    Ótimas observações. O ser humano é definitivamente uma caixa de surpresas, não sabemos o que esperar.
    Caríssima... gostaria de pedir-te uma ajudinha por um motivo especial. Já estamos em Dezembro, logo o prazo no site vai findar e a vaquinha em prol do meu tratamento da tireóide sequer chegou aos 25% de contribuições. Se você puder me ajudar participando, nem que seja com o mínimo estipulado pelo site (R$ 25,00 que pode ser pago por cartão de crédito ou por boleto gerado - basta copiar a numeração dele e pagar num caixa eletrônico de seu banco pessoal), me será de enorme valia. É fácil, rápido e além de ajudar a mim, indiretamente você também vai ajudar ao Hospital de Amor, em Barretos, onde estou me tratando pois quero doar um pouco pra eles. Posso contar contigo? Se sim, ficarei imensamente grata. O link da vaquinha é este: http://vaka.me/71mtxx Muito obrigada e que Deus lhe devolva em dobro. Grande abraço, moça!

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto. É preciso esse autoconhecimento e o fazer o bem a todos.
    Bom final de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  8. Tenho pensado muito a respeito dessa passagem! O livro Paulo e Estevão está na escrivaninha para ser lido!
    Obrigada pela partilha e toques na alma!

    ResponderExcluir
  9. Um texto para reflexão. A linha que separa o bem do mal é por vezes tão ténue que nem damos conta da nossa ignorância. Estou com Platão:
    "A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento." Tão lúcido…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, por vezes (acontece com todos) sai o que origina uma má interpretação, quando assim, corrige-se e pede-se desculpa.
    Feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir
  11. Olá, Marli! Muito pertinente teu texto, e você matou a charada, entre o bem e o mal com o que grifei abaixo:

    "...e o conflito, com certeza não está entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância."

    "A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento."

    É isso mesmo, amiga, também vejo assim, sem pôr nem tirar, como dizemos aqui quando a coisa se basta!
    Beijo / carinho, boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Olá, querida Marli!

    Grata por sua visita e votos de bom domingo. O meu, como habitualmente, foi em casa, bem sossegadinha, arrumando minhas "coisinhas" para amanhã, profissionalmente falando e não só.

    O tempo por cá tem estado frio, mas a semana passada foi bem soalheira, felizmente. Aí, suponho que quentinho, embora eu saiba k o Brasil tem muitos climas, visto k é enorme e apanha muitas zonas terrestres. No Sul do Brasil por exemplo, em Canoas e Pelotas, tem estado ventoso, chuvoso e frio, segundo me disseram, aliás chegaram a ter as 4 estações num só dia, mas em geral é fresquinho.

    Reli o texto de k me lembrava, perfeitamente, tal como os comentários (abusada que eu sou -rs) e no meu pretendo retificar o seguinte: "Leio seus textos COM mto agrado e não como mto agrado.

    Apareça, sempre que desejar. Será um prazer.

    Beijos, um abraço e votos de boa semana.

    ResponderExcluir
  13. São dois caminhos para escolher, basta optar por um e aguardar as consequências. Belo, profundo e bem coordenado texto. Próprio para reflexão.

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, Marli, o tema da sua ótima crônica, sobre o bem e o mal, pode ser enfocado sob vário prismas, dependendo de quem olha um bem ou um mal.Pode parecer estranho que muitas pessoas podem ver o mal como sendo um bem, de acordo com o ângulo que é visto, como você diz ao longo do texto. É tão importante essa matéria que tanto o tema sobre o bem como sobre o mal podem ser explorados em livros com muitas páginas por se tratarem por assuntos palpitantes.
    Parabéns, um bom final de semana
    Um abraço
    Pedro

    ResponderExcluir
  15. Marli trazes aqui à colação "o saber ouvir" o que é fundamental. Há bastante gente que só sabe falar e responder ao próprio. Porém quem tem a noção de relações publicas sabe que é importante, não se intrometer no que nos está a ser dito. Depois há o ditado muito certo: "quem muito fala, pouco aprende". Gostei da crónica, como sempre, porque prosa bem assisada. Não tenho passado e tenho postado muito pouco porque estive 23 dias hospilizado, ataque cardíaco.
    Beijos

    ResponderExcluir

Façamos a diferença

      Segundo Mahatma Gandhi precisamos ser a mudança que queremos ver no mundo e nas pessoas. Para que isso aconteça é preciso termo...