15 de set de 2013

Haverá um céu azul ?


já passam das duas da manhã
o vidro do carro embaçado pela respiração forte e densa
a chuva lá fora não permite abrir a janela
o tic tac do relógio o aflige
no rádio do carro, Djavan canta Flor de Lis
nunca entendera aquela letra
o café comprado há cerca de meia hora já estava frio no porta copos
seus olhos perdidos, acompanhavam o vai e vem dos limpadores
não sabia se continuaria ali ou se entraria
sempre fora um covarde
duas ambulâncias passaram por ele, com as sirenes ligadas
talvez fosse o sinal que ele estava esperando, e pedira a Deus minutos antes
respirou fundo, retirou o relógio, deixando-o sobre o banco
ao sair do carro, os pingos logo encharcaram seus cabelos grisalhos
fechou a porta e ligou o alarme
entrou no prédio
usou as escadas, o elevador tinha câmeras
subiu de dois em dois degraus, chegaria mais rápido, pensou
parou em frente à porta 210, soltou o nó  da gravata cinza chumbo
a camisa branca estava colada ao corpo
deu duas voltas na chave, entreabriu a porta
não estava pronto para ver o que seu apartamento escondia
ainda não...

entrou, sem acender a luz
fechou a porta, sem trancá-la
foi até o aparelho de som, guiado pela luz do aquário, no fundo da sala
apertou o play, Djavan agora cantava "Um amor puro"
lembrara, naquele momento, que não desligara o som do carro
a bateria, com certeza, não aguentaria a noite toda
sentou-se na confortável poltrona, presente de sua mãe no Natal anterior
ao lado, na mesinha, uma garrafa de uísque escocês, presente do seu pai, pelo aniversário de 40 anos
pegou o copo, duas pedras de gelo
misturou o uísque com o gelo usando os dedos, fixou o olhar naquelas pedras que confundiam-se com o uísque
tomou um bom gole
repousou o copo na mesinha, pegou a garrafa e foi até o quarto
os lençóis abarrotados, travesseiros no chão
abriu a garrafa, tomou mais um gole e sentou-se aos pés da cama, de frente para o espelho

frases soltas, escritas com batom, davam fim a um relacionamento de quinze anos
a despedida era feroz, rasgava o peito, ardia
mais um gole de uísque que descia denso pela sua garganta
num ataque de fúria, a garrafa voou de sua mão até o espelho à sua frente, estilhaçando-o
do que valia o amor naquele momento?
Djavan não sabia responder em suas letras
a voz, estridente no apartamento quase vazio, rodeava os pensamentos daquele homem sôfrego
levantou-se e foi até a janela, viu o seu reflexo misturado aos pingos de chuva do lado de fora
foi até o banheiro e acendeu a luz, sua amante, sua mulher, sua amada, sua amiga, caída no chão, sem pulso algum
seus belos olhos azuis, vidrados no nada
um pequeno vidro de remédio para dormir ao seu lado, os comprimidos espalhados no chão
ele abaixou-se, tirou os cabelos que tampavam um pouco seu belo rosto pálido
beijou-lhe a face
levantou-se, desligou o chuveiro, e voltou para a sala
iniciou novamente a música do Djavan
ergueu o volume
foi até a sacada
a chuva molhando seu rosto
abriu os braços e cantando Djavan, atirou-se do décimo andar:




“ aqui, ou noutro lugar, que pode ser feio ou bonito, se nós estivermos juntos, haverá um céu azul”.

  




16 comentários:

  1. Limerique

    Se a separacão te causou transtorno
    E, covarde, não enfia cabeça no forno
    Então do prédio pensa saltar
    De uma coisa deve lembrar:
    Ela não te deu asas, te deu cornos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jair, dono dos mais lindos e cultos limeriques. Adorei sua resposta de acordo com seus versos. Obrigada! Grande abraço!

      Excluir
  2. Ola amiga, ando mesmo sem tempo, período de provas, redigir, aplicar , corrigir e organizar os diários de papel e digital, toma muito tempo, e temos prazo para concluir, final do bimestre. Por esta razão sempre nesses períodos faço minhas visitas de agradecimento e carinho com um recadinho pronto. Só para te dizer, estou aqui lembrando de você, não te esqueci. Desculpa, se não aprovas o recadinho colado.
    Desejo a você Que o noite seja abençoada e que o novo dia venha pleno e que você
    o receba de coração aberto... e que nesta semana que inicia, você se atreva a grandes voos...
    Desperte...amanhã com seu melhor sorriso com
    suas mais fortes certezas que você tudo pode e o tudo é
    exatamente o tudo que chamamos de FELICIDADE.
    Abraços, Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida professora Lourdes, sei bem o que é isso de provas e correções. Também sou professora. Suas palavras são maravilhosas, pois me escreveu um texto lindíssimo o qual me fez muito bem. Grande abraço!

      Excluir
  3. Bom dia
    Adorei ler.. ma muito triste é este final..
    Otima semana
    beijo
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cidália, sei que é triste,mas foi escrito baseado em um fato real.Obrigada ! tenha uma semana feliz! Beijos!

      Excluir
  4. Uma história tantas vezes real, com fim tantas vezes idêndico, na impotência da fragilidade humana ou cobardia egoista, seja o que for, VI tudo, tal a descrição visualista, num quadro patético que se pintou na imaginação mas com tintas de quem sabe o valor da palavra.
    Saudades Marli de ter ver e ler!
    Muitos beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Manuela,palavras bonitas as suas. Sabe que este fato foi baseado em uma história real. Sabemos que elas acontecem com muita frequência,mas que nem ficamos sabendo.Obrigada! Irei te visitar. Beijos!

      Excluir
  5. Sempre haverá, céus azuis e sempre haverá, tragédias. Sempre haverá bons escritores, com excelente imaginação, a nos fazer vibrar,
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniel, agradeço pelo seu comentário.É muito válido ter um escritor que nos dê sua opinião. Obrigada! Grande abraço!

      Excluir
  6. Um conto que nos leva a ler de uma só vez, ansiosos por conhecer o que o deprime. E um final trágico e inesperado. Muito bom! Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marilene, obrigada pela sua visita e comentário.Agradeço pelas palavras com grande valor para mim. Grande abraço!

      Excluir
  7. Gasparzinho18/9/13 20:55

    Ah, o amor... ! Para os fracos, para os fortes, para os sonhadores, para os pés no chão.
    Não conseguindo viver sem o seu amor, matou-se para unir-se à ela.
    Lembra-me Romeu e Julieta, adaptado.
    Excelente!
    Abraços do amiguinho camarada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gasparzinho, penso ser o amor igual a todos os corações.Muitos o vivem intensamente,mas sempre há um pouquinho de sofrimento, talvez pelo egoísmo, o que nunca deveria haver,pois o amor na sua essência é só amor.Ah!!!!!!!!! Romeu e Julieta!
      Grande abraço!

      Excluir
  8. Pena que as pessoas cheguem neste estado....
    Beijo Lisette,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lisette, verdade, mas muita gente chega a esta situação e sofre muitíssimo.Obrigada pela visita. Volte mais vezes. Grande abraço!

      Excluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...