2 de fev de 2016

Tempo doado é caridade

Hoje, precisei me apressar para sair do carro e correr para me abrigar sob a marquise, pois a chuva veio sem tréguas. Procurei saber que horas eram, e enumerei em minha cabeça tudo que eu tinha que resolver e, com horário espremido, fiquei ali, quase como uma estátua, sem ao menos olhar quem estava ao meu lado, também se escondendo da chuva.
Só pensava em meus problemas, meu valioso tempo. Muita gente, apesar da chuva ia em frente, carros que passavam respingavam água em tudo, eu já estava muito impaciente, e deixei de ser estátua, virei a cabeça e olhei ao meu redor, havia uma família acampada sob a mesma marquise que eu, imagine eu  perdendo a paciência por ficar alguns minutos ali, sabendo que tudo iria passar, o sol voltaria, e eu voltaria para minha casa, chuveiro quente, cama e teto.
Comecei a observar aquelas pessoas, havia o casal, duas crianças pequenas e dois cachorros.
A situação me deixou constrangida, senti vergonha de mim mesma, resolvi saber um pouco sobre a família.
Contaram- me que trabalhavam juntando papelão e latinhas, precisavam trabalhar muito para ganhar o suficiente para a comida. As duas crianças ficavam na creche, estavam com eles agora, devido ao período de férias. 
Perguntei se não ficavam com medo pelas crianças, dormindo ao relento, sentindo o frio, o respingar da chuva. O senhor, do qual eu já sabia o nome, seu Teodoro, disse-me que sempre procuravam por lugares que achavam ser seguros. Ele me contou que fora um jogador compulsivo, e junto vinha a bebida, assim, o pouco que tinham ele perdeu. Por isso, me contou com lágrimas nos olhos que se arrependia pelo seu passado, pois era o culpado de estar na rua com esposa e filhos. Perguntei sobre o restante da família, ele me disse que morava em outra cidade, mas por vergonha, mudou. A esposa, que estava quieta, quebrou o silêncio e me disse:
-Rezo muito para que  Deus nos dê outra chance, de termos a nossa casinha e que meus filhos tenham uma cama quentinha quando voltarem da escola.
O seu Teodoro, me olhou firmemente e disse:
-Sabe, com meus erros enormes, aprendi muita coisa, estou pronto para reparar tudo, basta Deus me ajudar. 
Quando percebi, a chuva havia passado, o sol estava brilhando e, eu ali, "perdendo meu precioso tempo". 
Meu celular tocou , mas não me deu tempo de atender, parece que era para me avisar de algo. De repente, lembrei da conversa com minha família, há dois dias, na hora do almoço.
Um vizinho precisava de uma família para cuidar da chácara para ele. A mulher deveria cuidar da casa e jardim, o homem o restante, os filhos teriam escola, pois o ônibus escolar passa na frente da chácara. Minha alma estava em festa, pois eles aceitaram, mas o que fazer agora, o lugar ficava longe. Então.....
Coloquei toda aquela gente no meu carro, (pequeno),mais os cachorros, e os levei até o endereço que eu conheço, pois somos vizinho de chácara. Acreditem, deu tudo certo, parece que eu tinha um encontro marcado com aquela família. Meu tempo?
Aprendi que a maior caridade é o seu tempo doado, pois ele é seu, e não volta mais a você. 

19 comentários:

  1. Que emoção senti ao ler o seu belo conto Marli
    O tempo gasto em generosidade é abençoado por Deus e voltará revertido em bênçãos. Parabéns pelo conto espetacular
    Beijokas e sorrisos

    ResponderExcluir
  2. Parabéns!
    Texto fantástico.

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Um relato encantador, que até me emocionou. Nem todos que estão nas ruas o desejam e esperam apenas que alguém estenda as mãos. Penso que Deus oferece uma oportunidade a ambos, a quem ajuda e a quem precisa. É preciso entender isso, já que não existem acasos. Parabéns por sua generosidade.

    Marli, há algum tempo você me disse, no face, que não conseguia entrar em meu blog. Realmente, não consegui encontrar a razão. Mas eu coloquei em descanso o VISÃO FEMININA e o MOMENTOS FRAGMENTADOS, abrindo uma nova casa, o RESPIRO DA PALAVRA.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Fantástico, Marli!
    Já me têm acontecido algumas peripécias em que posso ajudar, mas nunca nenhuma desta dimensão!
    Tão bom!!!
    BJO :)

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto, palavras e gesto! Fazer o bem, nos deixa bem mais felizes! Vale muito ! bjs, chica

    ResponderExcluir
  6. Belo texto, fazer o bem sem olhar a quem, tomara que dê certo para a família amiga Marli!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  7. Que texto fantástico, Marli e muito profundo!
    Amei!

    ResponderExcluir
  8. Quando a gente nota algumas coisas, a gente para para agradecer pelo que temos e não pelo que não temos.
    Temos tanto a agradecer a Deus.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  9. Um texto maravilhoso. Deus sempre aproxima as pessoa para que aquela que precisa possa ser ajudada pelo coração caridoso da outra..
    Um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  10. Absolutamente verdadeiro, Marli. Doar o nosso tempo é graça.
    Seu blog está tão caloroso e humano, muito humano...me senti bem aqui. Obrigada!
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Acróstico

    As vezes sem parecer o mundo conspira
    Meio que reúne certas pessoas em crise
    Arranja, ”casualmente”, o objeto e a mira
    Reunidas até debaixo de uma marquise
    Quer saibamos o pode acontecer ou não
    Um problema pode surgir a nossa frente
    Instantes depois, podemos ter a solução
    Surgida de alguma coisa em nossa mente
    Então, todos felizes para suas casas vão.

    ResponderExcluir
  12. Que relato fantástico! É muito bom quando sabemos olhar os que nos cercam com olhos de ver...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Mas muito bonito, Marli!! Saio daqui também emocionada, que história linda, lindo seu gesto, seu coração.Um dos textos mais bonitos que li aqui!
    Beijos, querida, um feliz fim do feriadão.

    ResponderExcluir
  14. Estou voltando depois de um longo tempo distante de meus amados.

    Querida amiga tua escrita faz aquele momento de reflexão e ai passamos a nos sentir pequenos, pois nossas vidas e problemas nos deixam sem obras e metas. Deus nos deu a oportunidade de crescermos no amor e amor é espiritualidade...é amor amar...olha nunca é tarde e sempre teremos pessoas bonitas como vc para corrigir nossos deslizes...

    Beijos e muita paz

    Cristal

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, excelente relato que prova que o inesperado acontece e atrapalha a corrida contra o tempo.
    AG

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde, Marli. Chorei ao ler e sentir como a vida é frágil e como Deus age com misericórdia.
    Você foi um instrumento de Deus para o novo recomeço desta família.
    Que assim seja, que recomecem e vivam dignamente.
    Muito triste ver alguém ou família inteira nas ruas.
    O seu tempo foi primordial, nada acontece por acaso .
    Vo

    ResponderExcluir
  17. Correção:Você tem de agradecer muito a Deus por ser a ponte para o recomeço de alguém, por tudo ter acontecido de forma contrária à sua, assim, você pode ser luz!
    Emocionante!
    Beijos na alma e paz.

    ResponderExcluir
  18. Uma bela crônica a sua, Marli, e um belo exemplo o seu, com a prática desse ato desprendido, apenas com o intuito de ajudar a essa família desamparada, a mercê do tempo e da caridade, que, para eles, nunca é fácil obtê-la. Um gesto comovedor de humanidade, de solidariedade. Parabéns, minha amiga.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Marli, só agora vi na Lindalva e vim agradecer o carinho comigo e blog! Obrigadão! bjs, chica

    ResponderExcluir

O outro lado da cegueira

Um dos trechos mais comentados e que mais aprofundam o leitor dos personagens é quando Saramago escreve:  “O medo cega (…) são palavras c...