Apreciadores de Um Naco de Prosa

11 de abr de 2017

Naquela Páscoa


Já era sábado de aleluia, a casa estava em festa, as crianças corriam, a alegria era notável, os parentes chegavam, os primos queridos vinham de longe para passar a festa da Páscoa em família. As crianças aguardavam ansiosas o passar dos meses para a chegada  de mais uma data festiva, ocasião em que podiam se reencontrar para matar as saudades.Os preparativos já estavam acontecendo há muitos dias. A avó materna era encarregada da confecção das bolachas, todas pintadas com açúcares coloridos, uma das tias era encarregada de fazer outros doces, e que eram de muitas qualidades. A carne para o assado já havia sido preparada no sábado anterior, os homens da família se reuniram e carnearam um leitãozinho, uma ovelha e ainda algumas galinhas que seriam recheadas para assar. Havia o costume de guardar a banha em uma grande lata junto com pedaços de carne frita, a qual durava muito tempo sem refrigeração.
As crianças só se preocupavam com a vinda do coelhinho, todos tinham que ajudar a fazer a sua cestinha, e quando ficavam prontas podiam brincar com elas o tempo que quisessem, porém se estragassem não mais as teriam, aí vinha o senso de responsabilidade, cuidado e parceria, pois cada um ajudava a cuidar da cesta do outro. Interessante que mesmo vazias, eram preciosas para todos.
À tardinha de sábado de aleluia, todos se reuniam para agradecer a Deus pela fartura de mais um ano. Sempre havia a explicação de um membro da família, o mais experiente que falava sobre o significado da Páscoa.
À noite, o cansaço tomava conta de todos. Os mais velhos com seus deveres cumpridos iam se deitar, recomendando aos pequenos que no dia seguinte, domingo de Páscoa, todos iriam à Igreja , só então é que procurariam as cestinhas . E assim aconteceu.
Anastácia, a empregada que há anos estava junto à família, ficou mais um pouco na sala, tempo suficiente para relembrar uma Páscoa que ficou em sua memória, em seu coração, um passado que lhe trouxe as lágrimas tristes. Ela era muito pequena, mas já sabia das coisas e esperava sua cesta com muitos ovos e coelhos de chocolates, seu irmãozinho, muito pequeno, nada sabia e por isso, apenas ela esperava pelo coelhinho. Sabia, ela que desta vez ele não falharia, porque ela não dera nenhum motivo,fizera tudo certinho, ajudara a mãe, cuidara do irmãozinho, ajudara a pendurar e recolher a roupa do varal, recolhera lenha,arrumara a mesa,  nem brincar com os amiguinhos, tinha ido para não aborrecer a mãe, sendo assim o coelhinho não teria desculpas, como em outras vezes de não lhe trazer nada .
Sua memória parou naquele longínquo ano, naquele sábado de aleluia,quando sua mãe chegou, sentou-a em uma cadeira de palha esfarrapada e falou:
-Nastácia, você foi uma menina má, não me obedeceu, não ajudou, foi brincar na rua, deixou seu irmãozinho chorando sozinho, por isso, o coelhinho não vai lhe trazer nada neste ano, e saiu às pressas, hoje sei que estava chorando.
Hoje ela sabia o quanto sua mãe sofreu para lhe dizer tudo aquilo.
As lágrimas corriam, e continuam a correr, pois hoje ela sabia que seu pai naquele dia ainda estava sem pagamento e o coelhinho não era apenas uma simples fantasia de criança.

Feliz Páscoa a todos vocês, meus queridos amigos!




20 comentários:

  1. Que lindo e tocante esse teu texto..Relembrar momentos, outros tempos... Lindo e emocionante e ainda a música... beijos, FELIZ PÁSCOA e tuuuuuuuuuuuuuuuudo de bom! chica

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto! Bem propício! Amei.

    Beijinhos e muito obrigada
    Boa Páscoa

    ResponderExcluir
  3. A historia e bonita de inicio, mas como sou emocional não pude deixar de me comover lendo o episódio do fim, por retratar a realidade.

    BRASIL – SORRISO DE DEUS
    Leia e comente BRASIL – O SORRISO DE DEUS
    Sergipe e as Unidades Federativas do Brasil
    http://amornaguerra.blogspot.pt/

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Amiga Marli, lindo e triste conto, muitas crianças ficam sem coelhinhos com ovinhos, na Páscoa, tanto quanto as crianças que ficam sem presentes no Natal, ambas as datas trazem sofrimentos, aqui a pobre menina ainda ficou com culpa, acho que pior ainda, pois seria melhor que a mãe contasse a verdade, sem dinheiro e sem emprego, triste quadro que ainda vemos hoje em dia!
    Abraços apertados, feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
  5. Marli a mãe poderia ter contado a verdade,pois a pequena levou a culpa pelo coelho não ter aparecido.
    Bem triste!
    Bjs,obrigada pela visita e uma Feliz Páscoa.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida Marli!

    Um excelente texto/conto a que já me habituou, e que para além de mto bem escrito, apela à imaginação da gente e da sua, que o criou.
    Quase parece uma história de Natal, onde as prendas são aquilo que as crianças mais anseiam e Anastácia não poderia ser exceção.
    Infelizmente, o pai dela não tinha recebido e portanto não haveria coelhinho, nem cestinha com docinhos, só que ela, no momento, não entendeu o motivo real, pke ela tinha sido uma menina boazinha e se tinha comportado, o melhor possível, mas sua mãe, em minha opinião, poderia ter aludido outra causa, que não a verdadeira, de um outro jeito, até, mas nem sempre temos "inteligência" para o fazer, pke as dificuldades económicas levam as pessoas ao desespero e à "mentira".

    Tempos difíceis, tempos de outrora!

    Agradeço sua 2ª passagem por meu blogue, tal como seus comentários. Agradeço e retribuo, duplamente, seus votos: PÁSCOA REDENTORA PRA VOCÊ E FAMÍLIA!

    Beijos com mta estima e consideração.

    ResponderExcluir
  7. PARA SI/TI, E TODOS OS FAMILIARES E AMIGOS, UMA SANTA E FELIZ PÁSCOA. QUE A PAZ RESIDA NOS VOSSOS CORAÇÕES.
    .
    ABRAÇO-VOS COM AMIZADE E CARINHO

    ResponderExcluir
  8. Voltarei para ler com atenção.
    Feliz Páscoa, Marli. Bjo docinho :)

    ResponderExcluir
  9. Acróstico

    Com os ornitorrincos eles me confundem
    Ovos são os “ornitos” que costumam por
    Então, sem perder tempo, o bichinho mudem
    Longe da páscoa, o orelhudo roedor.

    Hoje não posso mais escutar: chocolate!
    O meu pelego todinho até se arrepia
    Dói, e uma fatal melancolia me bate
    Adoeço só de ouvir menção a esse dia.

    Páscoa? Pois eu nada tenho a ver com isso
    Ávido chocolateiro me dá trabalho
    Só que à festa pascoal nenhum compromisso.

    Com tais ovos de chocolate como atalho
    O doce de cacau é produto de feitiço
    Ao coelho só resta cara de paspalho.

    ResponderExcluir
  10. Que belo e comovente conto Marli
    Trouxe-me lágrimas aos olhos a decepção da pequena Anastácia
    Que a comunhão, a esperança e a Paz seja abundantes no vosso coração. Feliz Páscoa minha amiga e também para toda a sua família!
    Um beijo super carinhoso

    ResponderExcluir
  11. Um conto excelente e cheio de sensibilidade. Fiquei quase tão triste como a Anastácia... A vida é cruel para algumas pessoas...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Muito bonito e tocante, querida Marli, cheguei um pouco atrasado...
    Uma linda semana, sempre feliz!
    beijo!

    ResponderExcluir
  13. Triste, Marli, mas verdadeiro e muito bem escrito. Trabalhemos para que venha o dia em que todas as crianças possam ter a sua Páscoa! Boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  14. As festividades da Páscoa, tão bem narrada por ti, na tua crônica, sempre envolveu todos os membros da família, principalmente nos Estados do sul, que conheço. Lembro-me desses preparativos quando ainda era criança, e com o tempo fui acompanhando todo o ritual, que praticamente nada mudava. Com isso estou dizendo, minha amiga Marli, que me fez bem recordar tantas etapas passadas com as famílias, que eram muitas, que se reuniam.
    Um braço, Marli.
    Pedro

    ResponderExcluir
  15. Olá Marli! Lindo e um pouco triste o teu conto. Assim como a Anastácia, muitas outras crianças também se decepcionam com a falta do coelhinho. Espero que tenhas tido uma ótima Páscoa.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde, infelizmente a pascoa não é para todos, principalmente para aqueles que não sabem, ou nunca conheceram uma família, vitimas do negocio do trafico e da guerra, seu texto é muito bom.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir
  17. Ah, Marli, quão triste a vida para algumas crianças que não chegam a ser meninos.
    Páscoa_ festa de alegria e renovação só as sentindo quem estiver dentro deste espírito.
    Porque será dificil aceder ao blog?
    Pode " aterrar" onde lhe aprouver porque é tão bem vida!
    Um grande beijinho

    ResponderExcluir
  18. Espero que tenha sido uma boa Páscoa!
    Bj

    ResponderExcluir
  19. E com a crise que se tem vivido, muitas famílias reduziram ou até eliminaram os coelhinhos, não só da Páscoa.
    Um excelente texto, que afinal é um conto. Parabéns.
    Bom fim de semana, amiga Marli.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Minha amiga: gosto sempre de ler estes textos em que há uma mensagem a relevar.
    No caso, o episódio da Anastácia releva para o que acontece, ainda, com tantas crianças desafortunadas.
    Lindo e tocante texto, Marli.
    Bjo

    ResponderExcluir