Apreciadores de Um Naco de Prosa

30 de mar de 2017

Todos merecem perdão (?)

Inicio com umas das frases mais batidas: quem sou eu para julgar alguém?
Pois bem, esta semana assisti ao filme Longford.
Conta a história de MyraHindley, condenada à prisão perpétua pela morte de várias crianças com requinte de crueldade ( filme baseado em fatos reais ).
Fiquei aqui pensando se todas as pessoas merecem perdão, seja ele vindo de Deus, seja ele vindo do homem, consideremos que o homem é quem julga e dá a sentença aqui na terra.
Temos muitos exemplos no mundo, não apenas de Myra. Aqui no Brasil, Francisco de Assis ( o maníaco do parque ), estuprou e matou muitas mulheres.
Ele é um recordista de cartas de amor recebidas no presídio, incluindo muitas propostas de casamento.
Suzane Von Richthofen mandou matar os pais. Guilherme de Pádua matou a atriz Daniella Perez. Alexandre Nardoni jogou sua filha, Isabella, da janela do seu apartamento.
Cito casos de pessoas famosas para que todos possam “visualizar” os crimes cometidos.
Esta semana, li que o goleiro Bruno, acusado de mandar matar sua ex-namorada, Eliza Samudio, assinou contrato com um time da segunda divisão de MG.
E essas vidas que foram ceifadas?
Eu não consigo notar em momento algum remorso nestas pessoas. Ao assistir entrevistas, ou ler notícias a respeito, nunca observei uma lágrima de remorso pela “besteira” cometida. Nunca ouvi um pedido de perdão sincero.
Seja a explicação que eles queiram dar, geralmente, apelam para “vozes do mal que os obrigou, e eles não conseguiam parar”. 

Penso no sofrimento que essas pessoas passaram nas mãos ou a mando desses criminosos, e por motivos tão fúteis, tão banais, que haveria outras formas de serem resolvidos.
Decidiram ir para o caminho mais prático, mais covarde, e ceifaram vidas, como se eles fossem perfeitos, anjos puros enviados por Deus ou por uma força maior divina, para dar um ponto final em suas trajetórias.
Talvez, se eu fosse psiquiatra forense, eu conseguiria entendê-los.
A cada dia, a violência cresce no mundo, crimes absurdos, barbáries que antes só eram presenciadas nos cinemas, eclodem a todo instante em cada esquina, seja de grandes ou pequenas cidades, não há limites.
Neste filme, Longford, a personagem Frank Packenham, fervoroso católico que visita presidiários, e acredita veemente no arrependimento do criminoso, e que todos merecem uma segunda chance, até ter suas crenças colocadas à prova, quando conhece a Serial Killer, Myra.Como perdoar alguém que, enquanto seus pais, seus mantenedores, estão sendo mortos com requintes de crueldade, está sentada na sala do andar de baixo, esperando tranquilamente o “serviço” acabar, e fazer uma festa na piscina no dia seguinte?
Ou que corta a tela de proteção do quarto, pega sua filha de cinco anos, e a joga seis andares abaixo?
Ou que dá voz de assalto para um jovem trabalhador, que entrega seu celular no valor de cem reais, e, mesmo assim, leva um tiro a sangue frio?
Eu ficaria aqui citando exemplos, e preencheríamos várias laudas com eles.
Independe do motivo, eu acredito que sempre há soluções mais plausíveis do que a morte. E quem apela para essa prática, deve pagar; sim,há a justiça na terra e acima dela a justiça divina.
Caso contrário, ficaria muito fácil: mata-se e segue sua vida sendo perdoado, como se nada tivesse acontecido, como um aval para outros crimes.
Há casos e casos, sim. Citei esses, pois se relacionam com o teor do filme.
Eu acredito que muitos que estão na prisão entraram lá por motivos torpes, e são obrigados a conviver no mesmo espaço que estupradores, serial killers, estripadores... e sabemos também que os presídios, principalmente do Brasil, não regeneram ninguém, pelo contrário: alguns são presos por roubarem comida, por estarem com fome, e saem de lá mestres em outros crimes “mais pesados”.
Todos merecem uma segunda chance?Depende o caso.Todos merecem perdão?
É uma dúvida que tenho dentro de mim. Nunca passei por uma situação em que esse meu lado fosse posto à prova. E admiro quando vejo pessoas que perderam seus filhos, perdoando os assassinos.
Fala-se que o perdão faz bem, e que a mágoa traz problemas sérios à saúde. O perdão deve ser praticado, pois é um ato muito penoso, mas perdoar é preciso.
Mas acredito que o caminho para chegar ao perdão é árduo, e só para alguns esse mérito é concedido. 
Fotos: Google

11 comentários:

  1. Nesses casos como os que aqui nos trazes, acredito que não há perdão! São crimes bem pensados, planejados e só santo pode perdoar.Os comuns dos mortais,como eu, acredito que não conseguem... Bela reflexão! bjs, chica, lindo fds!

    ResponderExcluir
  2. Eu não consigo assistir a filmes assim não.
    Tem muita gente ruim na vida real.
    Quem perdoa mesmo é Deus e sua justiça é infalível.
    A justiça dos homens é falha.
    Perdoar é difícil ainda mais nesses casos em que a vida é ceifada.

    bjokas e um ótimo fds =)


    ResponderExcluir
  3. Que belíssimo texto! Todos merecem um perdão e uma segunda oportunidade. Muito bom mesmo.

    Beijo, bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Olá Marli.
    Um texto muito interessante, que tem como pano de fundo a história do filme, que conta a história de um assassino. Mas tu não ficas apenas no filme, que aproveita crimes cometidos aqui no Brasil, como o maníaco do parque, a mocinha que mandou matar os seus pais, quando dormiam (logo deixará a prisão), o goleiro que foi condenado e está livre, aguardando um recurso que interpôs. São tantos os crimes...
    Pois é, Marli, em se tratando de recuperação desses assassinos, não acredito nessa possibilidade. Não em crimes tão cruéis como os cometidos pelos homicidas que citas. Precisamos de leis mais duras, sem a possibilidade de responder pelo crime em liberdade, depois de alguns anos. A prisão perpétua para muitos criminosos resguardaria a sociedade; muitos países desenvolvidos as têm. Pobre Brasil.
    Parabéns, minha amiga.
    Abraços.
    Pedro

    ResponderExcluir
  5. Eu não consigo entender esses criminosos. E quanto a mim não têm perdão...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Há quem não mereça o perdão.
    Mas alguns casos são o resultado de doenças mentais. Por isso, não é nada fácil avaliar um assassino.
    Excelente texto, gostei muito.
    Bom resto de semana, amiga Marli.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Marli
    O escrito levanta um problema que obriga a reflectir bem. Na verdade, é facto que devemos sempre perdoar, apesar de tudo e todos os casos. Por outro lado a sociedade deve julgar e fazer pedagogia, com uma punição para exemplo da mesma sociedade. Agora há é dificuldade de procurar punir, fazendo reverter essa punição em favor da mesma sociedade, como? Sem prisões, mas trabalho obrigatório e dormida, em campos de cultivo onde as penas seriam expiadas, com a obrigatoriedade, de trabalhar.

    Leia e, favor comente: Brasil – Sorriso de Deus
    Amapá
    http://amornaguerra.blogspot.pt/
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi, querida Marli: olha, amiga, eu não tenho de modo algum essa capacidade de perdoar assassinos. Não há recuperação para psicopatas. Assim que são soltos, voltam a cometer o mesmo crime. O Brasil deveria ter um tipo de pena que os retirasse do convívio, do meio. Penas muito, muito duras: ou prisão perpétua ou pena de morte para crimes hediondos. Mas nossos políticos querem penas brandas para não serem pegos, também. Corrupção, roubo bilionário com o dinheiro que seria da saúde, segurança e educação, passa de cueca em cueca... e fica por isso mesmo até o dia de terem de enfrentar a Lava-jato. Isso noutros países daria prisão perpétua. E aqui?? Estamos esperando um pouquinho mais, né?
    Beijo, amiga!!

    ResponderExcluir
  9. OI MARLI!
    REALMENTE NÃO SOMOS NÓS QUE OS DEVEMOS JULGAR, HÁ A LEI E PRINCIPALMENTE "DEUS", MAS, CREIO QUE ESTE É UM DISCURSO DE PESSOAS COMO NÓS,A QUEM GRAÇAS A DEUS, NENHUMA TRAGÉDIA ATINGIU, MAS QUANDO SE TRATA DE QUEM SOFREU COM ALGO PARECIDO, ACHO QUE TUDO MUDA. VALIOSO TEU TEXTO, EU PARTICULARMENTE, ACHO UMA ABERRAÇÃO, PRINCIPALMENTE ESTE BRUNO, TER O DIREITO DE VOLTAR AO ESPORTE, SER ACLAMADO, ENQUANTO A MÃE DA MOÇA QUE ELE MATOU OU MANDOU MATAR, O QUE PARA MIM POUCO MUDA, CHORA A PERDA DA FILHA, DA QUAL NEM O CORPO PODE ENTERRAR PARA TER ALGUM CONSOLO.
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Não sou daqueles que acreditam que o pecador deve pagar com a mesma moeda, porém, acho que a justiça deve ser mais severa e, principalmente, mais eficiente.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  11. Amiga, um texto excelente que nos põe à prova, que nos impele a tomarmos uma decisão. Factos como os que relevaste (e que acontecem em todo o lado), não têm perdão. A justiça precisa de ter mão pesada para esses casos.
    Bj, Marli

    ResponderExcluir