Apreciadores de Um Naco de Prosa

20 de ago de 2013

René Linhares Augusto



                       Recado ao René 


    Há diversas maneiras de começar a escrever sobre determinada pessoa, no entanto quando precisamos falar sobre a morte, fica extremamente difícil.
   Reporto-me à Clarice Lispector :
"Eu desconfio que a morte vem. Morte?
Será que a morte é um blefe? Um truque da vida?"
   Sábado, dia 10 de agosto, às 12h10, momento em que René Linhares Augusto deixa-nos para continuar a viver, em outro espaço. A notícia inundou as nossas cidades de tristeza pela perda do grande amigo, colunista.
 René, era dono das palavras, pois as usava para professar a verdade. Percebia-se uma relação simbiótica entre ele e Lulu quando, para eles todas as utopias eram possíveis.
 Ele era um homem dono de um currículo invejável, tinha uma vida muito ativa e fértil na família, na vida profissional, no esporte, na escrita. podemos aqui, até citar Olegário Mariano como se fosse René:
" Vida! Quero viver todas as suas obras, 
As que prendi na mão e as que nunca alcancei." Ele era assim, cheio de vida para tudo. Ele nos parecia às vezes, sisudo semelhante a quem está de mau humor, mas ledo engano, bastavam poucos minutos para o nobre colunista abrir um sorriso e pôr rica prosa à mesa.
 René, dono e conhecedor de muitas histórias, algumas clamavam por justiça, e muitas exigiam dele e Lulu muita fibra e coragem para manifestar-se, o que nunca os fez recuar. Sempre agarrou tudo com muita honradez e disciplina. Era um homem que não deixava nada passar sem resposta , lembrei-me de ter lido, em algum lugar, em certa ocasião, o pensamento de Josué Montello:
" Todo homem tem o dever de seguir a estrada que passa pela sua aldeia." E com certeza, René a percorreu toda, passo a passo levando o Jornal Caiçara a completar 60 anos de trabalho à sociedade, podemos dizer que ele seguiu a risca a expressão cunhada pelo apóstolo São Paulo -" ... combater o bom combate e manter a fé." Ele o fez com maestria em todos os sentidos.
Ao escrever sobre René, as palavras vão fluindo devido ao muito que se tem a dizer sobre ele.
  Em sermão de 1890, o pastor Henry Drummond fala sobre o nosso encontro com o Criador. Diz ele:
" Nesse momento a grande pergunta do ser humano não será:" Como eu vivi? " Será, isto, sim: " Como eu amei"?
 E René amou muito, amou a vida, amou incondicionalmente a família, amou o trabalho, amou os amigos e se foi no Amor para subir ao pódio e ganhar o troféu da missão cumprida.
 Com a lembrança de quem amamos, mas que já partiram podemos com certeza, recuperar a alegria e a força de viver e além disso, termos em mente que:
" Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós."

Marli Terezinha Andrucho Boldori



      


17 comentários:

  1. Boa noite,professora Marli,tenho acompanhado seu blog sempre que volto de viagem.Hoje para minha surpresa li o seu artigo sobre a morte do grande Rene. Eu o conheci, Acompanhei muitas reportagens dele e da sua família.Vou me informar mais sobre o triste acontecimento. Tenha uma boa noite e obrigado por manter seu blog ativo.
    Cordialmente Jandir Amaral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Jandir,infelizmente perdemos o dono de muitas letras e grandes histórias.Fico contente quando sei que gostam do que escrevo,pois meu termômetro são os meus amigos de blog. Grande abraço!

      Excluir
  2. Bom dia
    Excelente!!
    Desejo um bom dia
    Abraço

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cidália,obrigada pela visita. Desejo a você também um lindo e abençoado dia. Grande abraço!

      Excluir
  3. É sempre uma perda assinalável quando se perde alguem que de alguma maneira deu o seu melhor para melhorar uma sociedade...
    abraço
    anacosta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, ficará em nós e em nossa sociedade uma grande lacuna que não será preenchida por mais ninguém,pois René,era muito bom no que fazia. Abraço!

      Excluir
  4. Mariane Boldori21/8/13 19:09

    há um silêncio ensurdecedor quando a tinta da caneta já não pincela livre e altiva nas folhas de papel. um colunista amigo, admirado por tantos, que deixará saudades e boas lembranças. e que voe em paz...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Any, que belas palavras para expressar a grande perda.O silêncio será quem sabe mais ensurdecedor que hoje, mas as boas lembranças apaziguarão nossos corações.
      Beijo,minha querida!

      Excluir
  5. Belíssima crônica, amiga Marli. O René Linhares Augusto foi tudo o que você descreveu. Era maravilhoso e enriquecedor manter uma prosa com ele. Realmente havia
    uma união de idéias e muito afeto entre ele e nossa caríssima amiga Lulu; talvez a grandeza espiritual que guia a FAMÍLIA AUGUSTO. Nosso consolo é saber que seu espírito continua vivo. Que os bons espíritos estejam amparando nosso amigo.Aldair Wengerkiewicz Muncinelli

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga,Aldair, primeiramente é uma grande alegria tê-la em meu singelo espaço, que agora é seu também. A falta que René fará,será imensurável, não apenas para Lulu, mas para todos nós, seus amigos ou apenas seus leitores. Como disse, Mariane no comentário acima... e que voe em paz...
    Obrigada,amiga, grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Marli,muito verdadeira essa frase final;a morte é inevitavel e todos nós iremos nos encontrar num outro plano um dia!Que linda e emocionante sua homenagem!Deixo meus sentimentos a toda familia!bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anne,o bom é acreditarmos que em outra vida vamos nos encontrar. Alguns partem antes, pois já realizaram o que vieram fazer aqui.Obrigada, minha querida.Grande abraço!

      Excluir
  8. Lamento!
    Que o René faça sua viagem em paz.
    Um abraço para a família dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudio,obrigada pela visita e comentário.Todos desejamos que ele faça uma viagem feliz de volta ao lar,pois aqui na Terra ele terminou o roteiro. Abraço!

      Excluir
  9. bom dia

    Gostei muito de ler...
    Tenha um dia feliz
    beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cidália,obrigada pela visita e comentário. Fico feliz por ter gostado da crônica. Volte sempre, pois és bem vinda! Grande abraço!

      Excluir

  10. Olá querida, passei para te desejar um mês de Setembro, lindo a abençoado e que a nuance das flores de primavera, nos sirva de exemplo, porque depois dos dias frios de inverno , o sol volta a brilhar e com ele as flores brotam nos campos e nos jardins, colorindo e perfumando os dias.
    O exemplo de que devemos seguir é viver plenamente cada ciclo da vida, um de cada vez. Não podemos esperar que no inverno seja verão e no outono primavera. A nossa vida é como as estações do ano, haverá dias no inverno que não encontraremos as flores, nem o sol, nem a vivacidade das cores, mesmo assim, na vida temos que ser felizes enquanto há tempo.
    Que o mês de Setembro seja colorido e alegre como a Primavera !
    Feliz Primavera!!
    Abraços Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir