15 de jan de 2014

Ser de lá...

Nasci no interior do mato
Chão batido, barro vermelho
Terra essa em que a lua guia nossos passos à noite
Poste de luz ainda é novidade
Apenas vaga-lumes dançando sob a lua 
Lá pelas tantas a mãe pede para que a gente leve a capelinha na casa do vizinho,
Conforme a ordem da lista de nomes fixada ao lado
Calçamos nossos chinelos cuja alça está presa com um pequeno prego
No caminho, ouvimos sons diversos
De rãs a cigarras, que entoam canções
Lá no interior o tempo passa mais devagar
As janelas ficam abertas, e o aroma de café feito no fogão à lenha se torna convidativo
A manteiga derrete na fatia de pão quente, recém saído do forno
O leite, tirado da vaca de estimação, borbulha na caneca de esmalte lascado
No inverno o pinhão salpica na chapa, enquanto o pai busca mais sapê para alimentar o fogo e espantar o frio
Os cachorros e gatos unem-se como nunca antes, e se aconchegam próximos ao fogo
Levantamos cedo, o assoalho de madeira range a cada passo para avisar que alguém se aproxima
Olhamos pela janela da cozinha, lá fora a grama branca de geada, camufla alguns marrecos que ainda não despertaram
No interior os vizinhos se cumprimentam, olham nos olhos, apertam as mãos,
Querem saber como você está, como anda sua família e o reumatismo de sua avó
Na terra em que eu nasci carros dividem a pista com ciclistas e cavaleiros montados em seus cavalos bem cuidados
As conversas entre pais e filhos duram mais tempo do que as novelas da TV
A rádio AM faz mais sucesso do que a FM
O shopping não resistiu, o teatro antigo virou o antigo cinema
A locadora do bairro vence os filmes baixados pela internet
O rio une duas cidades, tornando-as gêmeas
A Maria-Fumaça ainda vive nos trilhos
Os passarinhos despertam-nos pela manhã, avisando-nos que temos que ir trabalhar
Os cachorros, como bons amigos dos homens, são seus protetores e alertam contra perigos
Na terra de onde venho, a polícia é nossa amiga, e nos assiste
As crianças brincam de bola de gude nas ruas de areia e pedra, e os pais as vigiam nas calçadas enquanto tomam chimarrão, passando a cuia como num bom ritual sulista
Aqui na cidade vivemos como bichos aprisionados em nossas gaiolas de cimento
Com medo de outros homens, com medo de barulhos, com medo do escuro, com medo das sombras
Dormimos em camas box, camas grandes, camas cujos colchões são como nuvens, mas os sonhos são pesadelos acompanhados pelas sirenes, buzinas, som alto dos carros
Não há um bom prato de arroz, feijão e torresmo
Há pratos finos, requintados e sem gosto
Tornamo-nos robotizados
Sem tempo para uma conversa com amigos antigos, amigos que no interior ficaram
Com medo de um “bom dia”, um aperto de mão mais apertado, um perguntar “como você está?”
Um mundo diferente, um lugar distante da minha infância
E sigo calada, observando, com medo, trancafiada em minha jaula de cimento e tinta branca
A noite chega, o dia volta, e tudo segue num ritmo robotizado
As pessoas caminham à esmo, sem perspectiva de viver, apenas de enriquecer. 




24 comentários:

  1. Gasparzinho15/1/14 21:56

    A vida no interior é mais doce, mais justa, mais agradável... Sons da natureza, ar fresco, água bebida direto da fonte.
    Tudo é melhor e mais bonito. Nas cidades de "cimento" somos aprisionados, condicionados a viver uma vida lúdica, cercados por emoções negativas.
    Feliz daquele que pode viver no interior, toma café colhido, comer pão assado no forno à lenha, e "prosear" à vontade com bons amigos.
    Abraços do amiguinho camarada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gasparzinho, lindo o seu discurso sobre a vida simples.Eu, ainda hoje, tenho o privilégio de encontrar quando, quero e posso um cantinho junto à natureza, dormir com o som dos grilos,à noite.
      Tudo se torna mais amável. A "prosa " sempre é boa, e sem o barulhinho do telefone.Amo, meu lugar junto à natureza. Grande abraço, meu amigo!

      Excluir
  2. Nossa, que prosa saudosa e bonita. E quanto de verdade há nas suas palavras. No interior sempre alcançamos o coração de alguma coisa. Lá podemos tocar o silêncio, não é mesmo? Saio mais leve do seu texto.
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Carlos, realmente no interior podemos, com certeza alcançar o céu...O silêncio se faz presente em nossa alma e podemos senti-lo.É muito prazeroso poder curtir a natureza. Grande abraço!.

      Excluir
  3. Me deu saudades do meu tempo de criança na fazenda...Gostei!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shirley, que bom vê-la aqui. a saudade sempre existe quando temos algo para relembrar dos nossos bons tempos de criança. Fico feliz por ter gostado do texto. Grande abraço!

      Excluir
  4. Alegre-se a cada nova manhã pense que com um novo dia pode-se começar uma nova vida.
    Mas começar sem medo do que pode vir a acontecer,
    viver um dia de cada vez e sempre olhando para frente, simplesmente começar.
    Tente se basear no exemplo de um simples amanhecer, embora aconteça todas as manhãs,
    são poucas as pessoas que podem testemunhar a beleza que é quando a noite
    a noite termina e vem no horizonte o espetáculo do nascer do Sol.
    Obrigada pelo carinho desejo um abençoado final de semana .
    Beijos ,Evanir..
    Eu nasci num lugar assim no coração saudades infinita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Evanir, que bom que o texto lhe trouxe ótimas lembranças, pois tudo muda em nossa alma quando a recordação é boa. Volte sempre! Grande abraço!

      Excluir
  5. Nossa se um chinelo for preso com um prego é bem perigoso :D
    Uau, seis! Parabéns, eu tenho cinco! Uma morreu. Eu fico feliz de conhecer uma pessoa tão bondosa, parabéns pelo que faz pelos bichinhos. Tens toda razão, é triste mesmo!
    Uma semana maravilhosa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! que bom receber você aqui. Volte sempre, pois este espaço também é seu. Tenha um lindo final de semana! Beijos!

      Excluir
  6. Ah que saudade bateu à minha porta com tantas recordações em comum em que as estrelas eram e são os pirilampos( não sei se aí se diz assim...) em vez dos candeeiros, e a relva é o tapete em vez do cimento desumano. Nem medo, nem ruídos, nem a cegueira da ambição.
    Um prazer enorme passear por aqui Marli e volte sempre que queira. É mesmo para isso que ele existe: com a simplicidade de quem gosta de partilhar coisas fáceis.
    Muitos beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Me gusta mucho como escribes y como sabes relatar.

    un abrazo

    fus

    ResponderExcluir
  8. Que grande texto,super bem elaborado!! Nem li tudo porque era muito grande mas vejo que escreveste com sentimento. Quero desejar que o mês de janeiro continue a ser fantástico e maravilhoso para ti!! Muitos beijinhos,fica com deus e até breve!! http://musiquinhasdajoaninha.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  9. Uma viagem no tempo que faz sonhar.

    Que lindo Naco tens aqui!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. UM FINAL DE SEMANA
    NA PAZ E NA LUZ DE JESUS.
    VAMOS LUTAR POR UM MUNDO
    MELHOR NEM QUE SEJA EU E VOCÊ.
    QUERO QUE SAIBA VOCÊ FOI
    E É IMPORTANTE DEMAIS PARA MIM.
    CARINHOSAMENTE ,EVANIR.

    ResponderExcluir
  11. Meu Deus! Que texto esplendido.... Você me fez voltar a minha
    infância no interior. Coisas simples é tão bom, não é mesmo?
    Cheirinho de café, chinelo com prego, vizinhos na porta, rádio Am...
    Ah viajei com esse texto... Fui pra longe.... Bem longe....

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde,
    Ao ler o seu belo texto, bateu-me uma saudade d minha aldeia e dos meus vizinhos de grande humildade, pureza a sabedoria, hoje tenho como paisagem o cimento armado e a poluição.
    Abraço
    ag

    ResponderExcluir
  13. Que o calor de um carinho,
    o afeto de um abraço e o sorriso de uma grande amizade
    sejam presença constante em sua vida.
    Desejo que todas as coisas boas e o amor
    de Deus aqueça seu coração.
    Quero que acredite não existe fim
    para aqueles que acreditam em Deus
    tudo na vida é fé e coragem pra recomeçar.
    Eu venho deixar somente carinho e amor
    nessa passagem de hoje na sua casinha.
    Uma abençoada semana, fique com Deus.
    Beijos ,Evanir.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom, Marli! Eu já tive a graça de viver no interior, e concordo com cada palavra sua! É como bem diz a música: muitas vezes, somos felizes e não sabemos. Que diferença das nossas cidades! Belo texto, boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo, que bom que gostou da minha postagem.Penso que as pessoas que vivem ou viveram em alguma época no interior, sabem dar valor ao que têm , hoje. Obrigada! Bela semana para você também. Abraço!

      Excluir
  15. Querida amiga

    As cidades como são hoje,
    cercadas de prédios
    e de pessoas parecidas com prédios,
    na forma de ver o mundo,
    e de senti-lo,
    são para mm
    os túmulos da vida.

    Cada dia, um sonho.
    É o que desejo
    aos que ocupam o meu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Aluisio, realmente estamos vivendo em uma selva feita apenas com pedras e cimento, tudo ao nosso redor é inflexível e gera dureza, dureza esta que se estende até a nossa alma. Obrigada pela visita e comentário.
      Abraço!

      Excluir
  16. Esse calor humano perdeu-se. Hoje, só lembranças, para quem dele usufruiu. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, que bom termos essas belas lembranças da vida simples que aprendemos a viver. Obrigada por sua visita e comentário. grande beijo!

      Excluir

A robotização da massa

Vejo pessoas  robotizadas  pelas ruas, cabeças baixas, dedos deslizando sobre pequenas telas pretas. Ando pelas calçadas com as mãos nos ...