13 de jul de 2014

A menina que queria livros.

Hoje, pela manhã tocou a campanhia, era muito cedo (para mim). Saí da cama contrariada e fui atender. Abri a janela e não vi ninguém, pensei devem ser os meninos que apertam  a campanhia e saem correndo é bem comum.
Voltei para a cama. A campanhia tornou a tocar fiquei bem quietinha enrolada sob as cobertas, como se fosse possível ser vista por quem estava à minha porta. Ouvi o toque sendo insistentemente repetido. Olhei, debrucei-me para ter visibilidade e vi uma garotinha bem pertinho da porta, eu não a via devido a sacada. Perguntei a ela:
- O que você quer?
Nossa até eu me assustei com o tom da minha voz.
Ela olhou para cima, me viu, me deu um sorriso do tamanho do mundo e disse:
 - Posso falar com você?
- Pode, o que é?
E ela foi mais longe:- você pode vir aqui falar comigo, bem pertinho?
Naquele momento me senti a rainha da cocada preta.
- Fala daí, mesmo.
Mas ela não desistiu e nem se amedrontou com meu tom de voz.  Disse-lhe então:
- Está bem, vou aí falar com você, mas espero que valha a pena. Demorei para me trocar e até pensei que ela tivesse desistido e ido embora, mas que nada ela estava paradinha de braços cruzados, feito gente grande.Fiz uma rápida análise da pequena, que de perto parecia menor.Tinha belos traços, cabelos claros arrumados em um
rabo de cavalo, estava vestida adequadamente para a sua idade.Resolvi fazer-lhe algumas perguntas como se com esta atitude eu justificasse o meu comportamento.
- Quantos anos você tem?
-Acho que tenho seis, às vezes eu esqueço se são cinco ou seis e continuou a contar nos dedinhos.
- Como você se chama?
- Meu nome é Emily Cristine.
Meu coração bateu mais forte e senti como se já a conhecesse. Minha memória voltou ao passado,  quando eu esperava a minha filha e seu nome, seria EMILY CRISTINE, mas na hora do nascimento a emoção foi mais forte e esqueci,  por isso, ela tem outro nome.
Mas voltando a nossa menina, senti que ela já conquistara meu coração. Continuei com meu interrogatório.
- Onde você mora?
- Moramos bem perto daqui, nos mudamos há alguns dias, porque onde morávamos  a enchente levou tudo. Deu-me uma tristeza que sem perceber abracei a pequenina e perguntei-lhe:- você está com fome? Vou fazer um lanche para você. Não eu acabei de comer na minha casa, disse ela.
- O que você precisa, então? 

-Falaram-me que aqui mora uma professora que é muito legal, então eu vim saber se ela pode me emprestar um livro, pois os que eu lia a enchente levou. A professora legal é você?
Engoli em seco, passei meu braço sobre seus pequenos ombros e lhe disse:
- Vamos entrar, pois vou lhe mostrar todos os meus livros e você poderá levar quantos quiser.
Ela me olhou, sorriu e disse:

- Você é legal mesmo!

14 comentários:

  1. Oi Marli
    Uauuuuu! Muito comovente a forma lúdica e poética que você usou para escrever esta bela história e o sentimento AMOR explicitado em cada gesto. Parabéns! Eu amei ler
    Beijos e uma boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá gracita, obrigada! tenha uma linda semana! Beijos!

      Excluir
  2. Olá,boa noite, Marli
    Como vai? Comigo,tudo na paz!
    ...se acordo muito cedo, fico de mau humor. Se acordo com o barulho da campainha, fico de péssimo humor...mas, meu bom humor volta rapidamente ,quando vejo que a visitante sabe o quanto a leitura é importante e veio somente me pedir um livro...e de deveras frustrado quando vejo crianças que não mostram disposição ou interesse em ler...me torno uma pessoa legal,também... gostei da prosa...parabéns!
    Obrigado pelo carinho da participação em meu blog,bela semana, beijos!

    ResponderExcluir
  3. Gasparzinho13/7/14 23:37

    Que texto simples e belo! Fácil de ler e imaginar a pequena abordando você. Quem dera todas as crianças fossem atrás de cultura, como a sua Emily. Abraços do amiguinho camarada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Gasparzinho,obrigada pelo elogio. É verdade, seria muito interessante se todos fossem mais em busca de cultura.O título ficou semelhante ao " A menina que roubava livros", há livro e filme sobre ela. Vale a pena ler, bem com certeza você já o leu. Tenha um lindo e abençoado dia. Abraços!

      Excluir
  4. Bom dia

    Que texto maravilhoso. Adorei

    Votos de uma excelente semana.
    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Adorei esse estilo de escrita!
    texto muito bom mesmo, vc é criativa!
    bjus e boa semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  6. Não sei se ficção ou realidade... mas em qualquer um dos casos, Marli, que belo texto! Boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Um conto emocionante.Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. HERMOSO... LER APRENDER PARA CRECER

    ResponderExcluir
  9. Emudeci, Marli, sabe bem a razão. Quando se foi professor, nunca deixaremos de o ser. Então, ter destes encontros (apesar das circunstâncias), é algo quase poético. Seja real ou ficcionado...
    BJO :) :)

    ResponderExcluir
  10. Lindo que os livros voem pelo mundo...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  11. Olá tudo bem com você Marli?

    Hoje vim te convidar a conhecer meu novo espaço, o "Entre Elas", um espaço culinário com dicas, truques, segredinhos e claro receitas.

    É um blog novo, pois tive de recomeçar, pois os outros dois espaços que tinha foram-se ... já estou seguindo seu blog com esse novo, apenas minha foto não aparece nos seguidores, mas é só conferir pelo nome My Silva..

    Conto com sua presença ...

    http://entreelassempre.blogspot.com.br/

    Bjo

    My

    ResponderExcluir
  12. Olá, já fui visitar seu blog e sou sua seguidora. Amei suas dicas e receitas.
    Obrigada! Grande beijo!

    ResponderExcluir

O Voar do Tempo

Bola de gude, amarelinha, bets, pega-pega, brincadeiras que fizeram parte da infância de inúmeras gerações e, hoje soam como lendas para ...