8 de mar de 2015

Dia Internacional da Mulher

Apenas Mulher - Pelo dia Internacional da Mulher


 Sabemos que as mídias, imprensa falada e escrita, irão registrar muitos temas sobre “MULHER”, porém em todos os escritos haverá um ponto em comum: a ideia da mudança.
Infelizmente, não há receitas prontas a serem seguidas para que haja 100% de acertos.
Ainda existe a angústia da mulher que se percebe viva, mas, às vezes vive na morte espiritual. E, nós mulheres precisamos descobrir todas as possibilidades de viver bem, de descobrir a nossa essência e, para isso há a necessidade de percorrer todo o caminho.
- Será que todas as mulheres têm acesso ao caminho almejado?
Sabemos que há muitas rotas, as quais levam ao destino proposto de “SER MULHER”. Quem sabe, como definiu Carl Gustav  Jung:
“  ..uma rota só, entrecruzada por todas as demais.”
Hoje, em pleno século XXI, mulheres que não conseguem ”SER”.
Muito já caminhamos, porém a situação da mulher está aquém do que esperávamos que estivesse hoje. Sabemos que nem sempre foi assim, foi pior.
Ainda vivemos muito, as amarras do passado, sempre desejando mudanças para um futuro próximo. Ela ainda hoje, tem muitos deveres e poucos direitos, pois vive a diferença que se faz entre ser mulher.
Há esperança de que mesmo a passos lentos, as mudanças para melhor vão acontecendo, pois as coisas acabam somente quando não há mais esperança – e todos sabemos que ela é a última que morre.
A vida deve ser vivida em todos os seus momentos por que toda a vida não vivida ficará latejando infiltrada em todo o ser e invivida por toda a eternidade. Viver sim, mas uma vida que valha a pena.

E ser Mulher é ter valor para o mundo. 

4 comentários:

  1. Boa noite
    Belissimo texto
    Dia da mulher devia ser todos os dias.. Gostei muito.

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a todas as mulheres, que lutam por seu espaço na sociedade.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Marli, é o Dia da Mulher e pensar que falta tanto ainda para sermos reconhecidas não como médicas, advogadas, juízes, professoras... sempre nosso valor é menor do que o dos homens. Ainda, em outros países usamos Burka, somos escravizadas, mutiladas e quando nasce uma mulher, num grande país (que você sabe), ela não é bem-vinda. Ainda somos classificadas como 'minoria', pesar de toda a luta. Esse pingo de mulheres que vemos, fúteis coitadas, denigre em parte nossa essência como mulher. A grande maioria é lutadora, sofredora. E dessas tenho orgulho. Na verdade, amiga, esse é um dia que não gosto de comemorações. Não gosto de comemorar dia das minorias prejudicadas e não reconhecidas. Há anos que o básico, que é a remuneração, é uma farsa, uma ilusão. Uma boa resposta aos que perguntam o que você é? A primeira coisa que me vem à cabeça é dizer: eu sou mulher! Depois o raio da profissão. Porque ser só mulher, já seria o suficiente para sermos muito valorizadas e não precisarmos de um dia...
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. E por tudo o que escreveste, valerá sempre a pena escrever, falar e lutar.
    Bjo, Marli :)

    ResponderExcluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...