22 de out de 2015

Hoje

Hoje, eu precisava apenas sair
Andar por aí, sem rumo, sem direção
Olhando as paisagens, o verde, o azul...
Sentindo o vento emaranhando meus cabelos
A brisa beijando meu rosto
O sol esquentando meu corpo
Só por hoje, eu gostaria de apenas andar
Sem dizer bom dia, ou olá!
Dar um meio sorriso, colocar as mãos nos bolsos e andar
Ouvir Deus conversando comigo, através do barulho 
das águas do rio
Do canto dos pássaros, ou do som que o vento produz no cata-vento
Hoje, eu precisava apenas sentir, apenas crer, apenas agradecer
Sem expectativas, sem esperas, sem tempo...
Andar até meus pés, cansados, pedirem para voltar
Dar meia volta, mesmo sem saber para onde voltar.

15 comentários:

  1. Bom doa
    Que bonito! Tem alturas que também me sinto assim.

    Beijo, bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema e há dias assim! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Hoje também vou por aí, ao deus-dará... Um belo texto!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Soneto-acróstico
    Peripatetismo

    Sair com esse sol tisnando seu rosto
    E andar por aí sem rumo ou direção
    Meio que disposta a gozar esse gosto
    Deixando de lado toda preocupação.

    Indene a qualquer caminho proposto
    Zanzar a esmo, até contrário a razão
    Errar sem ligar se outubro ou agosto
    Rindo-se e enchendo de ar o pulmão.

    Bela proposta para um dia qualquer
    Onde ir não importa, não realmente
    Mova-se então aceite o que der e vier.

    Dê meia volta se melhor assim sente
    Indicando: você é independente mulher
    Apenas ande sem ligar prá toda gente.

    ResponderExcluir
  5. Adorei teu comentário por lá, falando de tuas lembranças boas! bjs, chica

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto Marli.
    Todos nós precisamos desse caminhar sem destino e apreciar
    as maravilhas que estão bem perto de nós e muitas vezes não nos damos conta
    desses pequenos detalhes,sentir o vento em nossos rostos e o bater de asas dos pássaros.
    Bjs,obrigada pela visita e um ótimo domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  7. Marli, esse caminhar, de seu poema,poderá levar o caminhante à paz, que não será encontrada por quem não se dispuser a isso. Por isso, esse é o caminho para ser trilhado.
    Uma boa semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde,todos de caminhar sem encontrar curvas e pedras, o poema é lindo e profundo.
    AG

    ResponderExcluir
  9. As vezes me sinto assim também, pena que esta longe poderíamos sair juntas rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  10. E como eu gosto de fazer isso, Marli! Sair pelo bairro, caminhar sem rumo, um tempo para a mente não pensar. Estar conosco, caminhar entre as árvores e apenas olhar. Depois, mais morta do que viva, volto para o ninho. Com a cabeça leve pra começar tudo de novo. É muito boa essa pausa de vez em quando.
    Beijos, amiga.

    ResponderExcluir
  11. Perdi as contas de quantas vezes senti vontade de andar sem rumo por aí, na verdade, minha vontade mesmo é ir caminhar na praia, sentir a área do mar.. faz tanto tempo que não faço isso... vou dar um jeito de ir essa semana. Aproveitar o som relaxante do mar, a brisa, admirar a sua imensidão.. Acho que me conecto de certa forma a essa imensidão.. na verdade vejo o ser humano a perspectiva dessa imensidão.
    Como assim? Bem, cada um de nós temos uma imensidão que poucas pessoas mergulham fundo de verdade ou poucas deixamos que mergulhem a ponto de alcança o nosso profundo ser. Seja, seja por precaução, seja por que é desse modo que compartilhamos mais intensamente essa imensidão.
    Tenha uma ótima noite Marli. Beijos!



    ResponderExcluir
  12. Caminhar como se fosse invisível, olhando a paisagem, sentindo o tempo e a vida, mas voltada para o próprio coração. Como isso é bom! O cansaço físico parece abrir a mente e trazer relaxamento.
    Seu texto poético ficou belo, Marli !
    (levei seu comentário para o blog e não consigo entender porque não conseguiu publicá-lo lá). Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Maravilha, cara amiga Marli. Andar sem rumo, sentindo a brisa na pele é muito bom.
    Um abração. Tenhas um lindo feriadão.

    ResponderExcluir
  14. Inspirador com ar poético... e é isso mesmo, por vezes apetece tanta coisa, mas nem tudo é possível nesta vida.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Esse desejo geralmente caminha com um estado de espírito que precisa de arejo! E como precisamos!
    Sentido poema, Marli. Gostei imenso!
    Bjo :)

    ResponderExcluir

O outro lado da cegueira

Um dos trechos mais comentados e que mais aprofundam o leitor dos personagens é quando Saramago escreve:  “O medo cega (…) são palavras c...