26 de jul de 2017

Sobre os dons das pessoas

Há pessoas que nasceram com dons, outras, acredito eu, que desenvolveram através de técnicas e aulas.
Conheço pessoas que resolvem contas matemáticas quilométricas em algumas horas, contas essas que eu nem imagino por onde começaria.
Outras, quando abrem a boca, parece que há anjos em suas cordas vocais que nos levam para um lindo passeio por entre nuvens e pensamentos saudosistas...
Outras, que afiam seus lápis e canetas, e nos levam a outros mundos, a novas descobertas.
Costumo dizer que não há outra atriz para interpretar Cleópatra que não seja Elizabeth Taylor. Assim como não há outra atriz para Tieta além de Betty Faria. Aqui abro um parênteses, a novela atualmente é reprisada no canal Viva em três horários distintos, incluindo os domingos, e, mais uma vez, alcança um público que supera de longe todas as novelas atuais da rede Globo, e uma das causas principais é justamente Betty Faria interpretando Tieta.
Mas, voltemos aos dons natos. Betty Faria, Elizabeth Taylor, Elvis Presley, Frank Sinatra, Meryl Streep, Albert Eistein, Stephen Hawking, Osvaldo Cruz, Jorge Amado, Clarice Lispector… têm algo em comum: dom. Dom que nos faz suspirar, sorrir, chorar, indagar, viajar, seja nas telonas, telinhas, livros ou CDs.
E, sim, acredito que essa seja a missão deles: nos encantarem com seus dons geniais. Com suas escritas, voz ou atuações.
Hoje, fala-se mundo das crianças índigos, dizem os estudiosos que elas nascem com uma aura azul-indigo e que vieram para trazer a mudança que o mundo precisa, principalmente em relação a reaprender a amar.
Esse é o dom dessas crianças, ensinar ao outro a amar. Todos temos algo intrínseco em nós, seja pequeno ou grande, a mudança sempre aparece em um determinado momento de nossas vidas para mudarmos as nossas vidas e a de outros.
Erroneamente ouço pessoas dizendo “eu não sei fazer nada” ou “eu não nasci com talento para nada”. A questão é: será que essas pessoas estão olhando para o lado certo ou simplesmente desperdiçam seus tempos no mundo esperando o dia de suas mortes, fazendo apenas o básico? 

Sim, porque você ter dom é uma coisa, agora lutar para mostrar ele ao mundo, é muito diferente.
Quantas horas você acha que um ator se prepara para uma simples cena? Quantas palavras negativas e desnecessárias cantores ouviram até chegarem no seu momento atual? Quantos comentários maldosos Clarice Lispector leu a respeito de suas obras?
O preço para demonstrar seu dom nem sempre é baixo, acredito que seja um dos mais altos, pois todo começo exige mais do que podemos imaginar. Há uma cobrança externa e interna. Há dúvidas, medos, anseios, perspectivas até chegar onde se deseja. Até poder demonstrar ao mundo o porquê de você estar aqui.
Essas crianças índigo são exemplos disso: elas falam em amor, em não matar animais, em um mundo capitalista, egoísta e que não se importa com o próximo. Elas são tachadas, discriminadas e incompreendidas. Mas estão ali, aqui, lá, mostrando ao mundo seu dom maior.
Quantas pessoas foram discriminadas em seus inícios? Quantas foram desacreditas? Um deles é Albert Einstein, que foi desmotivado por um dos seus professores a não persistir, a não investir nele mesmo, foi tachado de “burro”, “lento demais”, “sonhador”. Todos temos nossos dons e o momento certo deles aflorarem. Temos que estar preparados o bastante para “aguentar o tranco” que virá junto a esse desabrochar.  Se temos um dom, é porque o mundo o espera. Não teria porque dele existir se não fosse para se mostrar, para arrombar portas e invadir mentes, corações e almas.
Há pessoas que fazem muita diferença em nossas vidas, mesmo sem se darem conta disso, utilizam para isso seus dons. 
Mas, há um dom em especial, que todos têm dentro de si, colocado diretamente pelas Mãos de Deus, e hoje perde espaço para muitas outras coisas materiais: trata-se do amor.
O amor que não mede caminhos ou esforços, o amor que estende a mão, que abraça, que afaga, que sorri e faz sorrir, o amor que preenche, que aquece, que permite. Exatamente o que Deus colocou dentro de nós, mas que muitos já não o percebem mais, e o trancaram em uma caixa e não sabem onde está a chave.
Esse dom maior, que ouso dizer, move todos os outros. E que quando é perdido, a vida se torna fria, as pessoas se distanciam e tudo se torna opaco.
A centelha da vida está em cada um de nós, assim como o amor. Um veio junto com o outro, mas o outro, muitos deixaram de lado.
Os dons movem o mundo, as pessoas, mas o maior de todos precisa ser resgato com urgência. Para que todos os outros não padeçam.
Imagens: Google



10 comentários:

  1. Que lindo e tão bem colocadas tuas palavras! Lembraste bem da Cleópatra e Tieta e suas "representantes"... Gostei! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Soberbo texto! O Amor move montanhas!

    Beijinhos com carinho

    ResponderExcluir
  3. Lindo dissertar e como nos mostra bons exemplos de pessoas especiais, sim, todos temos dons, é preciso desenvolver!
    Ir em frente sem medos, com fé na Vida!
    Abraços apertados amiga Marli!

    ResponderExcluir
  4. Para além do dom, é preciso muito trabalho para se chegar longe. E é por falta de vontade e espírito de sacrifício que mito dom se perde...
    Magnífico texto, gostei muito.
    Marli, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Acho lindo quem tem dons musicais, artesanatos .
    Admiro e valorizo os dons a minha volta.
    E tento desenvolver os meus.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Concordo inteiramente, Marli! Também acredito que as pessoas têm diferentes dons e cada um deve trabalhar para desenvolver o seu; só assim, poderá cumprir a missão que o trouxe ao mundo. Um dos seus, sem dúvida, é escrever; parabéns! Boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  7. A crónica me deu muito que pensar, ser predestinado é ser sempre, mas sempre, O MAU DA FITA, é todo o mundo a desejar alinhamentos por baixo. Tal como se ser dotado, seja estar sempre em pecado original.
    Questões para quê?
    Fico por aqui, com beijos

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito desta sua crônica, Marli, que trata de um interessante tema, qual seja, o dom de cada pessoa para esta ou aquela atividade, dando como exemplo de artistas que já nasceram com o dom para as artes que escolheram, para delas viverem: . Betty Faria, Elizabeth Taylor, Elvis Presley, Frank Sinatra, Meryl Streep, Albert Eistein, Stephen Hawking, Osvaldo Cruz, Jorge Amado, Clarice Lispector. Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  9. Concordo que toda a gente tem um dom. às vezes não se apercebem disso. Mas é como diz: "A centelha da vida está em cada um de nós". Um excelente texto para pensar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Belo texto, Marli! Todos tem algo a dar, mas mostrar nem todos são talhados. Isso que você disse é certíssimo! Quantas pessoas são "descobertas" por alguém que tem olhos de lince? Quando você falou em Cleópatra, desculpe, mas ri daqui... Eu conheço o rosto da verdadeira Cleópatra, numa obra que vi, mas não me convence aquele rosto! Como pode? Para mim ficou (desde que vi o filme há muitos anos) Elizabeth Taylor!!! rss e com todo seu fantástico talento. E os outros que você citou, igualmente, como Albert Eistein!
    Perfeita sua crônica, amiga, todos são dotados, tristes àqueles não encontrados ou reconhecidos.
    Um grande beijo, querida.

    ResponderExcluir

O valor das pessoas

Nessas andanças pela vida, ouvimos, lemos e falamos sobre muitas coisas... Após o lançamento de um livro, cujo título mexeu  com minha ca...