2 de ago de 2017

Naquele Verão

Lembro-me daquele fim de tarde
O sol se punha devagar, dourando as ondas do mar que salgavam a nossa pele.
Deitados sobre a areia, nada, naquele momento, importava, os batuques feitos nos braços dos violões acompanhavam o vai e vem das ondas que se quebravam sob nossos corpos, o céu estava limpo, a lua enorme e brilhante. Tudo parecia tão perfeito, com um gosto de que nunca iria acabar.
Famílias, amigos, colegas, namorados, jovens apaixonados, todos reunidos, todos felizes. 

Foi apenas um disparo, e tudo se quebrou dentro de nós,
como se fôssemos feitos de cristal, o cristal mais delicado e raro que há, aquele cristal que não há como colar, como consertar, como refazer. 
Acidental ou não, ele era apenas um garoto, jovem, cheio de planos, cheio de sonhos e fantasias,
lembro dele correndo ao nosso encontro quando chegamos. Pulava em nossos braços, entrelaçando suas pernas em nossas cinturas, era tão típico dele aquele gesto, mas nunca nos cansávamos.
Moleque de riso fácil, de dentes espaçados e olhos grandes, dois grandes círculos escuros que brilhavam ao lerem histórias de Robin Hood, o herói que ele iria ser um dia, como ele tanto falava ao fechar o livro em um estalo e pular de um sofá para outro, deixando sua avó em polvorosa.
Apenas um disparo, e mais nada.
O coração já não batucava em seu peito, seus olhos, tão lindos, vidrados em um lugar longe dali,
já não estava mais conosco, na verdade, há tempos ele andava distante.
Tudo foi perdido junto com aquele disparo.
Uma vez assisti a um filme, em um dos trechos, a personagem dizia que quando uma mãe perde um filho, todas as mães do mundo, perdem um pouco também.
E acredito ser verdade.
Ver aquela mãe debruçada sobre aquele menino, salgando seu pequeno corpo com suas lágrimas,
levou um pequeno pedaço de cada um de nós.
Não era para ser assim, era para ser diferente
Tão jovem, tão inteligente, tão bonito, tão esforçado.
Seria talvez um advogado? Um médico? Um professor? Um cientista ou arquiteto?
Ou viveria em seu mundo dos sonhos até despertar para a vida real?
Nada é mais ensurdecedor do que as lágrimas de uma mãe que perde seu filho, as ondas continuavam  indo e vindo, assim como nossos pensamentos.
Às vezes, eles quebram antes de chegar a um destino final, às vezes, quebram sob nossos pés, às vezes, tentamos pegá-los, mas eles fogem de nós... Assim como fugiu do mundo, aquele doce menino.
Fotos: Google



7 comentários:

  1. Que triste acontecimento num cenário tão lindo! è de cortar o coração! Pobre mãe desse menino! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Um conto triste! Gostei de ler

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá, ficam as boas recordações do belo menino simpático e cativante, o texto está muito bem elaborado,
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso texto Marli!
    Infelizmente a vida tem essas surpresas,doces inocentes partem sem saberem o motivo.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, colega Marli!
    Lindo texto, muitos sentimentos envolvidos. Parabéns!
    Ei, moça!
    Sei que há tempos não apareço mas sempre que posso, cá estou!
    Tem postagem novinha em "GAM Dolls (2)". Dê uma passadinha por lá e confira
    minha mais nova "conquista artesanal". Ficarei feliz com tua visitinha e comentário,
    sempre tão gentis.
    Tenha uma linda nova semana. Abração pra você! :)

    ResponderExcluir
  6. Inquietante esta sua história. Contada com tanta sensibilidade, que me sensibilizou bastante.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia amiga!
    Minha visita hoje é para divulgar o blog da Biblioteca da escola que trabalho EREM DR Mota Silveira. Biblioteca Madre Ódila Maroja, este cantinho especial nasceu recentemente. É um blog voltado para pesquisas nas mais diferentes áreas de conhecimento, já tem postagens de , Matemática, Química, Biologia, Língua portuguesa, Filosofia, Sociologia, Direitos Humanos e outras áreas de conhecimento. Também faço parte na organização e pesquisas das postagens. O link é este, http://bibliotecamadre.blogspot.com.br/ caso deseje conhecer e seguir, será um grande prazer, pois como seguidora e comentarista dos meus blogs, você só engrandece as postagens. Obrigada, tenha um Domingo de muita paz e um início de semana abençoado.
    Desculpe não comentar a sua maravilhosa postagem, logo retornarei. Abraços Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir

O valor das pessoas

Nessas andanças pela vida, ouvimos, lemos e falamos sobre muitas coisas... Após o lançamento de um livro, cujo título mexeu  com minha ca...