3 de abr de 2011

Crônica do Amor - Arnaldo Jabor


Crônica do Amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo à porta.
O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.
Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.
Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.
Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?
Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.
Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.



Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?
Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.
É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pasto é imbatível.
Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.
Não funciona assim.
Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.
Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.

13 comentários:

  1. o olhar do gato é seu sim, se apodere do poema... Adorei a visita!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. A foto que acompanha a crônica é demais.
    É aquele filme dos anjos, não é? Um anjo se apaixona e se torna humano, aí sua amada morre e se vai...

    ResponderExcluir
  3. Marli Boldori4/4/11 22:34

    Muito obrigada pela visita e pelo comentário. A foto é do filme Cidade dos Anjos, em que ele pede para virar humano por amor à ela, e quando ocorre, ela morre. Uma linda foto de uma história de amor para ilustrar uma linda crônica sobre o Amor.
    Que bom que gostou, volte mais vezes!
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Marli.

    Esse texto me fez lembrar de um poema de Drummond, "As sem-razões do amor": Eu te amo porque te amo. Não precisas ser amante, e nem sempre sabes sê-lo. Eu te amo porque te amo.
    Amor é estado de graça e com amor não se paga.
    Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no eclipse. Amor foge a dicionários
    e a regulamentos vários. Eu te amo porque não amo bastante ou demais a mim. Porque amor não se troca, não se conjuga nem se ama. Porque amor é amor a nada, feliz e forte em si mesmo. Amor é primo da morte, e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam) a cada instante de amor."

    Bjos ;)

    ResponderExcluir
  5. Nada mais inexplicável que o amor, nada mais inexplicável que uma razão cega guiada apenas por sentimentos...

    Lindo post Marli, quem me dera algum dia na vida escrever tal qual o Jabor...

    Abraços mil minha querida.

    ResponderExcluir
  6. oi Marli...

    que bela escolha...
    adoro Jabor...

    e o amor...ah,
    esse não tem como explicar...
    é só sentir

    beijinhos

    ResponderExcluir
  7. O amor é inexplicável e sua forma de senti-lo também... vou ainda pela explicação de reencontro de almas!

    Lindo post!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Suzy,obrigada pela visita e comentário.Você veio me visitar e trouxe presente,um lindo poema,também sobre o amor.Obrigada pelo rico presente.Volte sempre.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Janaína,que bela imagem no espelho que veio brilhar aqui.Obrigada e volte sempre,pois você é muito importante para este espaço! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Rô,realmente só o amor conta em nossa vida.Ah! o amor!
    Obrigada pela visita e comentário.Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Guímel,obrigada pela amável visita e comentário.Fico feliz por ter gostado.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela postagem. Parabéns pela escolha das fotos para acompanhar a crônica.

    ResponderExcluir
  13. Regina,obrigada pela visita e comentário.Sua presença é muito importante para este espaço.Volte sempre.Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...