8 de jul de 2011

Serão eles seres artificiais?

Estes tempos recebi um vídeo de um amigo, no qual fotos de atrizes famosas nas décadas de 30, 40, 50, 60 apareciam em poses sensuais ou angelicais.

Enquanto as fotos pipocavam na tela do computador, corria um texto apresentando tais atrizes. Em um dos trechos de tal apresentação, um deles chamou  a minha atenção: ‘’não se fazem mais atrizes como antigamente, naturalmente belas’’.

Silicone, botox, tira aqui, repuxa ali, implanta acolá e BUM! Eis que surge uma ‘’nova’’ Sophia Loren, ou parecida.

Não falo apenas das mulheres, quero falar dos homens também, que já aderem aos salões de estética.

Tenho medo de que em pouco tempo as pessoas não mais se reconheçam no espelho ao acordar. Terão que se apresentar a si mesmas todos os dias. 

Não sou contra a beleza comprada, mas sim aos exageros que o dinheiro traz.

Vi muitas reportagens de belos e belas jovens que, por uma questão de vaidade exacerbada, se submeteram ao puxe daqui e repuxe acolá nas clínicas, e saíram de lá seres esdrúxulos e sem a marca nata.



Outra matéria que a Rede Globo negou um pedido ao Maurício Mattar por ele estar fora de forma. Pensei comigo: que bom que agora a interpretação é medida pelo peitoral sarado, ou a bunda durinha, ou ao peito siliconado. A pergunta que me ocorreu: como será o diploma de uma faculdade que forma boas bundas, bons peitos, bons peitorais? Fiquei com medo do que se passou na minha cabeça.

Uma ruga aqui, uma marca ali, jamais serão sinais de feiura,. Não estou pedindo para ‘’jogarem pedra na Jeni’’, e embalsamarem as ‘’beldades’’ cinematográficas, gostamos do que é bonito, do que é belo, por ser agradável aos nossos olhos. Mas eu quero as nossas atrizes e atores de volta, os olhares vívidos, as interpretações majestosas sejam elas com a bunda flácida ou não.


5 comentários:

  1. oi minha amiga,

    perfeito seu texto,
    penso exatamente assim,
    o valor e a competência das
    pessoas não deve ser medido pela
    massa corpórea,
    nem pela quantidade de cabelos brancos,
    ou marcas de idade...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi, amiga... mas estamos em plena indústria do supérfluo, dos baixos valores, dos botox, dos valores descartáveis. Chega a ser grosseiro e de mau gosto. O mundo baixou no quesito 'valor moral'. Mas nada se perde, o ridículo está à amostra em todas as camadas e profissões. Não se pode envelhecer, está proibido, por isso se vê tantos monstros soltos por aí...

    Um beijão pra você, ótimo texto.
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  3. Rô e Taís,fico feliz que há mais opiniões iguais as minhas em relação ao assunto,pois existem muitos valores além do aspecto físico de uma pessoa.Obrigada e um grande beijo!Marli Boldori do naco de prosa

    ResponderExcluir
  4. ... Sair da forma... desforma... romper as normas padronizadas do belo e estetico socialmente aceitavel, financeiramente rentavel...

    Saudades amiga!

    ResponderExcluir
  5. Mari,quanta saudade de suas palavras,de suas visitas constantes.Estou feliz ao ver que veio aqui em nosso espaço e deixou seu abraço junto a sua presença.Um grande beijo!

    ResponderExcluir

Criticar ou não criticar?

Às vezes o que precisamos é apenas um filme que nos traga algo de bom. E esses dias eu estava a procura de algo bom, delicado e encontrei...