27 de fev de 2014

Será que a curiosidade mata ou ensina ?

Era uma quarta feira à tarde eu estava entre algumas pessoas que acabara de conhecer. A conversa seguia seu rumo normal, quando alguém demonstrou vontade de ir embora para assistir à novela. Eu mais que depressa falei:
- Ah! vá ler um livro!
Ela olhou-me humildemente e respondeu:
- Não sei ler nem escrever.
Com o coração a galope, a mente em ebulição, pus de lado as outras pessoas e me aproximei dela. Eu havia perdido o chão. As palavras, as ideias, os pensamentos estavam estranhos em minha mente. A pergunta fervilhava dentro de mim.
- Como não sabe ler?
Em meu íntimo tinha certeza de que ela estava brincando. ( Ela era uma mulher de trinta e poucos anos ) e disse-me que não sabia ler. E eu não sabia mais falar nada. O momento disse tudo. Resolvi mexer fundo no assunto e fiquei sabendo que havia muitas pessoas próximas a ela que também não sabiam ler, inclusive a mãe dela. Contou-me ela que nem o ônibus conseguia pegar, porque não sabia ler a placa. Que confundia-se com o dinheiro e onde trabalhava estava ficando muito difícil até para anotar números de telefones.
Esta história é recente, triste e eu sou professora, já fui alfabetizadora também.

Nós que estamos sempre afirmando que todos devem estudar, mudar de pensamento, evoluir, ler e ler. Sócrates disse que: "Educar é ensinar a pensar". 
Penso que antes vem a alfabetização e que a aprendizagem, leitura, reflexão devem caminhar juntas.
Sócrates há 25 séculos também disse que aprender é uma condição humana natural. Todos aprendem, só precisamos facilitar o processo de aprender e conduzir o aprendizado para o fim desejado; isto é integrar o aluno à sociedade, desenvolver suas competências para usá-las na construção do todo.
Temos que ensinar a arte de perguntar. Voltando a Sócrates, ele dificilmente respondia, apenas perguntava. Com isso, ele levava os seus alunos a usar a cabeça, isto é, a pensar, refletir, analisar. 
E hoje, podemos perguntar?
Tenho pena dos perguntadores e dos curiosos.
Se perguntam muito são rotulados de mal-educados e impertinentes. Como são vistos como perturbadores são punidos. 
Educar exige paciência, porém é quase impossível no mundo de hoje, termos paciência, pois o mundo está impaciente, veloz, digital, cibernético, inconstante e até podemos afirmar: está louco. 
Podemos afirmar que a paciência ainda existe, mas apenas na consciência do educador. Aquele que realmente educa, pois há professores que não são educadores.
Quem Ama, Educa!, escreveu o psiquiatra e educador Içami Tiba.
" Não se pode forçar a janela: é preciso abri-la com carinho e espantar os corvos da desconfiança que porventura pairem na soleira."
É a mais humana das esperanças, a única que pode responder ao anseio de construir não apenas uma sociedade, mas uma civilização. Parodiando o escritor: quem educa, ama. 

13 comentários:

  1. Bom dia

    Pode-se dizer que podem ser as duas versões.(Mata e ensina)

    Gostei de ler o texto.

    Bom fim de semana

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Vivemos a era da velocidade, tudo é veloz, inclusive as relações o são. Pais, professores todos correm e não há como parar para responder e os questionamentos ficam para depois e nunca mais acontecem. assim vamos aprendendo na vida aos tombos sem que a experiência vivida possa ser transmitida. Quanto vai se perder nesse caminho, não? Tem volta? Não sei!
    Belo texto.
    Abraço!Sonia

    ResponderExcluir
  3. Gasparzinho28/2/14 11:14

    A curiosidade é que nos instiga a conhecer, a aprender, a entender. Hoje em dia, alguns professores têm preguiça de ensinar aos seus alunos, por este motivo podam a curiosidade deles. É mais fácil despejar tudo que está no livro, a ler, interpretar e questionar.
    O mundo está criando seres robotizados, é melhor para todas áreas: comunicação, comércio, política, etc...
    Seres acéfalos que apenas aceitam.
    É triste saber que, com tanta riqueza no mundo, pessoas passam fome, passam necessidades, e não sabem ler, não sabem escrever, são privadas de momentos preciosos, como ler um bom livro, por exemplo.
    E, como o governo não faz NADA, façamos nós pelos nossos semelhantes.
    Abraços do amiguinho camarada.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito seu texto, você resumiu tudo, esse mundo maluco, sempre apressado e baseado em prioridades medíocres, infelizmente!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Lindo te ler e ficamos tristes ao ver ainda hoje, pessoas perto de nós assim. Dá vontade de sair logo ensinando e tantas vezes, elas nem querem.beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  6. Oi oi querida,muito obrigada pelas tuas generosas palavras lá no meu cantinho,eu vi retribuir a visitinha e nossa,me emocionei com o teu texto tambem,nossa,me admiro como há pessoas que não sabem ler e escrever se bem,que,nos tempos antigos havia muita gente com esses problemas. Nos tempos de agora em que a escolaridade já é obrigatoria até uma certa idade,enfim,admiro-me. Tal como tu disseste lá no meu cantinho,eu desejo-te o mesmo,quero que aproveites bem o teu carnaval,quero que te divirtas e que tenhas tambem uma excelente semana,a primeira do mês de março!! Muitos beijinhos,fica com deus e até breve!! http://musiquinhasdajoaninha2.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  7. Que maravilha este fundo musical, me deletei lendo o texto. Olá amiga Marli, senti teu perfume na Ilha, só falta eu te vê sambando no carnaval da Ilha kkkkkk este é o endereço do nosso sambódromo :-)
    http://ilha-em-festa.blogspot.com.br/

    beijos com confetes e serpentinas.

    ResponderExcluir
  8. Agradecendo e retribuindo o carinho da visita ... amei estar por aqui ... seguindo tb ...

    Beijão

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga

    Educar é sem
    dúvida um ato de amor.
    Nele se inspira com a vida,
    outras vidas,
    que por sua vez,
    descobrem a beleza
    de viver cada instante.
    Este é para mim,
    o maior milagre
    do conhecimento.

    Que o amor nos vista a vida.

    ResponderExcluir
  10. Rico texto, e rica em privilégio foi vc de encontrar essa pessoa. Imagine qual humilhação seria se fosse outra pessoa a ouvir os argumentos dela?
    Muitas vezes fomos escolhidos para vivenciar algumas situações por temos a capacidade de mudar "tal" situação, pense nisso.
    Bjs no seu coração
    Nicinha

    ResponderExcluir
  11. Este é um problema social que ainda existe. Diminuiu bastante, mas existe.
    Ler e escrever é uma coisa tão básica do ser humano que quem não presencia um fato como este ignora totalmente este problema.

    ResponderExcluir
  12. Este é um problema social que ainda existe. Diminuiu bastante, mas existe.
    Ler e escrever é uma coisa tão básica do ser humano que quem não presencia um fato como este ignora totalmente este problema.

    ResponderExcluir
  13. Este é um problema social que ainda existe. Diminuiu bastante, mas existe.
    Ler e escrever é uma coisa tão básica do ser humano que quem não presencia um fato como este ignora totalmente este problema.

    ResponderExcluir

Criticar ou não criticar?

Às vezes o que precisamos é apenas um filme que nos traga algo de bom. E esses dias eu estava a procura de algo bom, delicado e encontrei...