12 de set de 2010

Reinvenção



A vida só é possível
reinventada.
Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas...
Ah! tudo bolhas
que vem de fundas piscinas
de ilusionismo... – mais nada.


Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.
Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios de tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.
Não te encontro, não te alcanço...
Só – no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só – na treva,
fico: recebida e dada.
Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.


CECÍLIA MEIRELES

6 comentários:

  1. Essa é uma das poesias da Cecilia de que mais gosto ;)

    ResponderExcluir
  2. ciertamente asi es como la vida se hace mas llevadera, reinventando día a día.
    saludos

    ResponderExcluir
  3. Suzy,Nicolau e Atlantida sejam bem vindos ao meu NACO de PROSA,
    obrigada pela suas presenças através de suas
    palavras!
    Aguardo vocês aqui!

    ResponderExcluir
  4. Cecília é sempre essa força toda, reinventando-se com delicadeza.

    Bom conhecer o seu blog, Marli!

    ResponderExcluir
  5. Olá Tuca, seja bem vindo ao NACO de PROSA e nessa reinvenção de Cecília vamos também vivendo,reinventando e vivendo ,vivendo e reinventando.........
    Abraço!
    Marli

    ResponderExcluir

O Voar do Tempo

Bola de gude, amarelinha, bets, pega-pega, brincadeiras que fizeram parte da infância de inúmeras gerações e, hoje soam como lendas para ...