14 de out de 2010

Filme Nosso Lar

Quando acenderam as luzes da sala 04 do cinema, e no écran os créditos finais começavam a deslizar, eu me dei conta do tempo que perdi com coisas fúteis e desastrosas nessa vida terrena.
O quanto deixei de valorizar coisas simples. E o quanto coisas simples contam e muito no plano espiritual.
Das vezes em que um transeunte estendeu a mão e pediu uma moeda, e eu não dei por medo de ser assaltada ou simples descaso.
Das vezes em que neguei um sorriso, uma palavra amiga, ou os ouvidos por estar sem tempo.
Não estou aqui para afirmar que o filme é exatamente o que ocorre no outro lado, mas tenho certeza de que a vida não tem um ponto final.
O filme tenta e nos consegue fazer entender que somos todos irmãos, por mais que na prática isso seja desencorajador.
O quanto é bom podermos ajudar ao próximo sem esperar que o mesmo o faça, pois cada qual possui suas limitações.
E se você pode dar um sorriso, dê.
Se você pode estender a mão, estenda.
Caso possua um cobertor sobrando, doe aquele homem que está na rua, ao relento.
Não fará falta, e contará pontos.
Cada degrau que eu descia da sala de cinema, os pensamentos vinham com muita velocidade, dos mais diversos. E o mais preocupante: o tempo que eu ainda tinha aqui para me redimir.
Para poder transformar as coisas à minha volta, e ser mais humana.
Deus não nos cobra, não nos aponta o dedo, apenas estende a mão através de seus guardiões para nos ajudar sempre que precisamos.
E isso o filme nos diz com todas as letras: Deus está sempre pronto para lhe perdoar de todos os pecados, basta você se conscientizar disso.
Somos espíritos, somos Almas, e como somos, devemos tentar sermos bons. Mas não pelo medo do que virá depois, e sim por nós mesmos.
O filme Nosso Lar não é espírita, evangélico, budista, católico. É um filme que fala para a Alma, e a mesma não tem credo, apenas amor.
Quem não assistiu, tire a máscara do pré-conceito e vá.
É o melhor conselho que uma amiga pode lhe dar nos dias de hoje.


Um comentário:

  1. Carlos Crizstofer19/11/10 21:48

    Cara Marli, assisti ao filme duas vezes.
    Você conseguiu passar aqui em algumas palavras tudo o que o filme me proporcionou.
    E como você aconselho a todos.
    Um conselho de um bom e novo amigo.

    ResponderExcluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...