8 de out de 2010

... momento poético



Os teus pés

Quando não posso contemplar teu rosto,
contemplo os teus pés.

Teus pés de osso arqueado,
teus pequenos pés duros.

Eu sei que te sustentam
e que teu doce peso
sobre eles se ergue.

Tua cintura e teus seios,
a duplicada púrpura
dos teus mamilos,
a caixa dos teus olhos
que há pouco levantaram vôo,
a larga boca de fruta,


tua rubra cabeleira,
pequena torre minha.

Mas se amo os teus pés
é só porque andaram
sobre a terra e sobre
o vento e sobre a água,
até me encontrarem.
 



Um comentário:

  1. Amor ao mar, amor às mulheres, amor ao céu, amor à natureza, amor à vida...
    Que dom é esse que de uma folha branca, pingos de tintas nos fazem sonhar e nos levam para tão longe?
    Que dom é esse que de alguns detalhes surge uma história de amor, e entre os dedos asvogais e consoantes brincam e dançam em sulfites?
    Esse é Pablo Neruda, que está vivo em cada palavra, em cada frase, em cada cheiro do mar ou perfume de uma mulher...
    Pablo Neruda, um dom de Deus.

    ResponderExcluir

Em tempo de São João

Cresci vendo a fogueira ser montada, ser acesa e queimada, espetáculo que se repete todos os anos com a festa do Padroeiro do bairro São Pe...